sicnot

Perfil

País

Cristas diz que drama do início do ano escolar acabou porque sindicatos mandam

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou esta quinta-feira que o início do ano escolar deixou de ser "um drama" não porque não existam problemas mas porque os sindicatos da Função Pública mandam no Ministério da Educação.

"Nos anos anteriores é sempre um drama o início do ano escolar, parece que de repente, como por golpe de mágica, está tudo resolvido. Não está, mas obviamente que quem dá voz a essas questões este ano está calado, manda no Ministério da Educação, tem de encaixar essas críticas como também sendo da sua responsabilidade", afirmou Assunção Cristas.

A líder centrista visitou uma escola básica e secundária em Queluz, no concelho de Sintra, e revelou que o CDS tem recebido queixas de professores que não estão colocados, falta de funcionários auxiliares e casos pontuais de alunos que ainda não têm escola.

Assunção Cristas defendeu que as políticas educativas passem a ter um ciclo de seis anos, durante os quais não possam ser alteradas, argumentando que neste setor a estabilidade "é um valor em si mesmo".

"Nos últimos anos tem havido muita instabilidade. As pessoas estão cansadas de saber que quando vem um novo Governo tudo muda, temos a experiencia deste Governo que a meio do ano letivo mudou as regras da educação", sustentou.

"Isto deve-nos fazer tirar lições para o futuro e no parlamento trabalhar conjuntamente para encontrar patamares de consenso e de estabilidade a seis anos", acrescentou.

Nesse processo, Cristas defendeu a reorganização dos ciclos e metas curriculares e a estabilidade na avaliação dos alunos.

Lusa

  • Termina hoje o prazo dado para o início do ano letivo
    2:20

    País

    O início do ano escolar está a ser marcado por grande normalidade. Esta quinta-feira foi o último dia marcado pelo Ministério da Educação para o início das atividades letivas. Na Escola Secundária Camilo Castelo Branco, em Carnaxide, as aulas recomeçaram hoje. O diretor do Agrupamento, António Seixas, acredita que até ao fim da semana sejam colocadas as duas substituições de professores por doença e espera que o ano decorra sem sobressaltos.

  • Início do ano letivo em análise
    8:49

    Opinião

    A Fenprof admite que o ano letivo arrancou de forma mais tranquila mas, para o secretário-geral, Mário Nogueira, há ainda muitos problemas que o Governo tem que resolver.

  • Os efeitos dos incêndios na natureza
    2:46

    País

    Cheias frequentes, erosão dos solos e contaminação dos rios e albufeiras são as previsões unânimes da comunidade científica para os próximos tempos, na sequência dos incêndios florestais. À SIC, o hidrobiólogo Adriano Bordalo Sá e o investigador de recursos florestais Rui Cortes alertam: é necessário começar a tratar da terra queimada o mais rapidamente possível.

  • Número de vítimas mortais dos incêndios sobe para 45

    País

    Uma pessoa que estava internada no Hospital da Prelada, Porto, na sequência dos incêndios do dia 15 nas regiões Centro e Norte, morreu hoje, anunciou a unidade hospitalar, subindo assim para 45 o número de vítimas mortais daqueles fogos.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • Achado inédito encontrado na nau de Vasco da Gama naufragada em Omã

    Mundo

    Uma equipa de investigadores afirma ter encontrado, ao largo da costa de Omã, o mais antigo instrumento de navegação alguma vez descoberto. O achado arqueológico é um astrolábio e terá sido localizado no meio do que resta da nau Esmeralda, da frota de Vasco da Gama, naufragada no Oceano Índico em 1503.

    SIC

  • "Isto destrói famílias"
    0:46
  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.