sicnot

Perfil

País

Em Campolide, Lisboa, separar o lixo vai dar dinheiro

© Reuters

A recolha e separação de lixo na freguesia de Campolide, em Lisboa, vai começar esta quinta-feira a ser recompensada, através do projeto "Pago em Lixo", que transforma os resíduos urbanos em moeda de troca para compras no comércio tradicional.

Um quilograma de lixo reciclável vai ser trocado por duas notas "Lixo", dinheiro criado pela Junta de Freguesia de Campolide, em que cada nota corresponde a um euro, que apenas pode ser utilizado no comércio tradicional local.

Os comerciantes são, depois, ressarcidos pela Junta de Freguesia do valor das compras efetuadas pelos habitantes da freguesia com o recurso aos "lixos".

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Campolide, André Couto, disse que o projeto "Pago em Lixo" surgiu a partir de dois diagnósticos: a necessidade de mudar comportamentos cívicos relacionados com o lixo e a existência de uma crise no comércio tradicional.

Após o diagnóstico, o autarca propôs-se resolver estes dois problemas da freguesia com "uma ideia que fosse sexy", no sentido de "cativar as pessoas para uma mudança de comportamentos dentro de casa, para a separação do lixo, para a reciclagem, premiando-as".

"Há aqui um benefício económico direto de recompensa deste comportamento e, por outro lado, envolvendo também o comércio tradicional", afirmou, explicando que, assim, a freguesia de Campolide pretende contribuir na construção de um mundo melhor.

O projeto "Pago em Lixo" destina-se à população residente na freguesia lisboeta de Campolide, com principal enfoque nas crianças, uma vez que representam o futuro e têm maior capacidade para influenciar a mudança de comportamentos dentro de casa.

A trabalhar há seis anos na higiene urbana de Campolide, Vítor Gonçalves admitiu à Lusa que as pessoas deitam muito lixo para o chão e "abandonam os sacos ao lado dos carros" ou "na porta das escadas dos prédios", o que dificulta o trabalho de recolha de resíduos urbanos.

"Deixam entulhos, madeiras, sofás. Deixam tudo, é impressionante", lamentou o trabalhador, esperando que o projeto "Pago em Lixo" contribua para que Campolide seja uma freguesia mais limpa.

Acompanhada da cadela Chanel, Teresa Cancela, moradora na freguesia de Campolide há mais de 15 anos, considerou que "tudo o que tenha a ver com a recolha de lixo e a limpeza da freguesia, essencialmente nas ruas, é sempre muito importante", elogiando o novo projeto da Junta.

"Como é trocado por dinheiro e dinheiro sempre mexe na nossa cabeça, talvez a gente perceba. Aquelas pessoas que deitam as garrafas fora, se calhar arrumam as garrafas porque valem um euro ou valem qualquer coisa", declarou a moradora de Campolide.

O projeto "Pago em Lixo" tem já parceria com 70 estabelecimentos de comércio tradicional da freguesia de Campolide, nomeadamente cafés, restaurantes, cabeleireiros, peixarias, pastelarias e farmácias, ambicionando chegar à escala das centenas de comerciantes envolvidos.

Nesta fase inicial, a Junta de Freguesia de Campolide investiu cerca de 15 mil euros no projeto, referiu André Couto, adiantando que a autarquia está preparada, através de uma análise constante da relação custo-benefício, para investir mais.

"Basicamente, a freguesia, a cidade e o país agradecem, porque vamos tropeçar menos em lixo e vamos viver numa comunidade mais limpa, e o bolso de cada pessoa é também recompensado pela introdução ou pela continuidade desta boa prática", frisou o autarca, referindo que o projeto não tem prazo definido para terminar.

O "Pago em Lixo" vai ter ações pontuais em diversos pontos da freguesia. No próximo sábado vai haver troca de lixo no Alto de Campolide, das 10:00 às 11:30, e no Bairro da Serafina, das 12:00 às 13:00. Existe um limite de lixo para a troca de dez quilogramas por dia e por cada residente na freguesia de Campolide.

De acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Campolide, o projeto foca-se na troca de resíduos urbanos, desde vidro, papel, embalagens e pilhas recicláveis, englobando o lixo indiferenciado, com exceção do lixo doméstico.

Para André Couto, o "Pago em Lixo" é "um projeto inédito em Portugal", que começou em Campolide, mas que está disponível para ser replicado por outras freguesias da cidade de Lisboa e do país.

Lusa

  • Quando o oceano se transforma num mar de lixo
    5:12

    País

    O lixo que se acumula nas zonas costeiras é uma pequena amostra da quantidade que vai parar ao mar. O oceano é fonte de oxigénio, regulador do clima, e uma das principais fontes de proteína para a humanidade, mas recebe anualmente milhões de toneladas de resíduos, sobretudo plástico. Um problema ambiental, com possíveis consequências para a saúde humana, que tem vindo a agravar-se.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.