sicnot

Perfil

País

FNE critica precariedade de professores e lembra os quase 30 mil sem colocação

A Federação Nacional da Educação (FNE) lamentou esta quinta-feira a elevada precariedade entre os professores, recordando os quase 30 mil docentes sem colocação, os sete mil contratados e os mais de 1.500 professores dos quadros sem componente letiva.

No último dia oficial de arranque do novo ano letivo, a FNE faz um balanço salientando vários pontos negativos, entre os quais "a continuação de um elevado nível de precariedade entre os docentes".

São "7.000 docentes que foram contratados, e os quase 30 000 docentes que ficaram sem colocação, e ainda os mais de 1 500 docentes dos quadros identificados sem componente letiva atribuída, o que mais não significa do que desperdício na gestão de recursos altamente qualificados e imprescindíveis para um efetivo crescimento do nível de escolarização/qualificação da nossa população", lembra.

A abertura deste novo ano letivo, na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário, é ainda assinalada negativamente pela FNE que lamenta que só no final de agosto - no dia 30 - os docentes tenham sabido os resultados do concurso.

"A emergência de múltiplas situações de injustiça, quer pelo calendário de execução das mobilidades por doença, quer pelo inusitado aparecimento de centenas de horários completos e de ano inteiro na primeira reserva de recrutamento e que deveriam ter feito parte da contratação inicial" são outras das críticas apontadas pela federação.

A falta de funcionários nas escolas (assistentes operacionais) que garantam um adequado acompanhamento dos alunos nas escolas também é apontado.

A FNE recorda ainda que nos últimos anos os trabalhadores da educação -- assim como todos os outros -- sofreram reduções nos ordenados, agravadas pelo congelamento das carreiras e "ausência de qualquer tipo de valorização ou de estímulo ao desempenho profissional e ao investimento em acréscimos de formação".

À degradação das condições de trabalho dos professores, a FNE acrescenta o acréscimo de funções e de responsabilidades burocráticas.

A FNE quer por isso que haja uma revisão do regime de aposentação, aumentos salariais na Administração Pública a partir de janeiro de 2017 e uma revisão do regime de trabalho dos docentes dos ensinos básico e secundário.

A FNE diz já ter pedido reuniões à Secretária de Estado Adjunta e da Educação e ao Secretário de Estado da Educação e espera que "o Ministério da Educação assuma compromissos em relação a uma agenda e a um calendário negociais que envolvam aquelas questões, em vez de se limitar a uma gestão corrente das dificuldades ao ritmo a que ocorrem".

Lusa

  • Termina hoje o prazo dado para o início do ano letivo
    2:20

    País

    O início do ano escolar está a ser marcado por grande normalidade. Esta quinta-feira foi o último dia marcado pelo Ministério da Educação para o início das atividades letivas. Na Escola Secundária Camilo Castelo Branco, em Carnaxide, as aulas recomeçaram hoje. O diretor do Agrupamento, António Seixas, acredita que até ao fim da semana sejam colocadas as duas substituições de professores por doença e espera que o ano decorra sem sobressaltos.

  • "O problema do desemprego não é só no particular"

    País

    O secretário-geral da Fenprof considerou hoje que o despedimento de 313 professores nas escolas privadas é uma "consequência negativa" dos cortes no financiamento do Estado, mas lembrou que em todo o país existem mais de 20 mil docentes desempregados.

  • Mobilidade por doença "é um direito" dos professores

    País

    O ministro da Educação considerou esta terça-feira, na Amadora, que a mobilidade por doença "é um direito" dos professores e que, na sequência das recomendações de ações inspetivas, foram contratualizadas 1.500 juntas médicas para verificar as necessidades dos docentes.

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".