sicnot

Perfil

País

A4 foi palco de perseguição e assalto perto de Amarante

Três pessoas num carro furtado encetaram na quinta-feira uma perseguição a uma outra viatura na Autoestrada 4, perto de Amarante, sobre a qual dispararam, acabando por roubar uma mala e pôr-se em fuga, disse fonte da GNR.

A perseguição e o tiroteio ocorreram perto das 17:30, ao km 45 da Autoestrada 4 (A4), desconhecendo-se para já o motivo do incidente, que já está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

Segundo a mesma fonte, um carro furtado com três pessoas no interior perseguiu uma outra viatura, de matrícula espanhola, acabando por imobilizá-la após vários disparos com armas automáticas, que lhes furaram os pneus.

As três pessoas terão então roubado uma mala e puseram-se em fuga, encontrando-se ainda desaparecidos, acrescentou.

Deste episódio resultou apenas um ferido ligeiro, o condutor do veículo de matrícula espanhola, que não precisou de assistência hospitalar, disseram as autoridades.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.