sicnot

Perfil

País

Arquiteto Souto de Moura diz que habitação social barata é uma mentira

O problema dos bairros informais e pobres será resolvido com a cooperação entre o Estado e as famílias carenciadas e não com a mentira das habitações sociais baratas, defendeu esta sexta-feira em Maputo o arquiteto português Eduardo Souto de Moura.

"A minha opinião é que a implantação da habitação social deve resultar de uma intervenção estatal associada ao envolvimento das famílias (...). Não acredito na mentira de construir um bairro social e depois apregoar que a mesma é barata, porque, o que acontece é que a viúva pobre não terá dinheiro para a pagar", declarou Eduardo Souto Moura, durante uma palestra na Faculdade de Arquitetura da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), a maior instituição de ensino superior em Moçambique.

Para o arquiteto português, vencedor do Prémio Pritzker (considerado o "nobel" da arquitetura) em 2011, a melhoria das condições de habitação das famílias pobres deve assentar no equilíbrio entre a escassez de recursos económicos e a salvaguarda da dignidade dos beneficiários.

O poder público, prosseguiu Souto de Moura, pode assumir o papel da infraestruturação dos espaços identificados para a implantação das habitações sociais e se possível construir as divisões das habitações, deixando depois ao critério das famílias a conclusão das casas, em função do seu poder económico.

Questionado pelo também arquiteto português Jorge Figueira, sobre a agilidade com que consegue projetar uma obra numa zona rural em Portugal e uma torre em Nova Iorque, Eduardo Souto de Moura defendeu a ideia de que não há obras simples e todos os trabalhos merecem o mesmo cuidado.

"As coisas simples são falsas, porque escondem a sua complexidade, ao longo do tempo fui percebendo que as coisas não são tão simples como parecem", sublinhou Souto de Moura.

A obra para uma cozinheira em Braga, prosseguiu o arquiteto, merece o mesmo zelo de uma torre em Nova Iorque.

"No fundo, sou um oportunista, tento apanhar as situações e tirar proveito delas", acrescentou.

Eduardo Souto de Moura demarcou-se do que considerou a hierarquização de património, uma referência a obras com valor arquitetónico, considerando que o interesse tem de ser dado ao património com utilidade pública.

Na opinião de Souto de Moura, a arquitetura é universal, apesar de estar a mudar com o tempo, e tem de estar associada às pessoas e aos afetos.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.