sicnot

Perfil

País

Comissário Moedas é a 4.º personalidade mais influente no ensino superior britânico

Comissário Carlos Moedas

© Hugo Correia / Reuters

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, está em quarto lugar numa tabela das pessoas com mais influência nas universidades britânicas, hoje publicada no jornal The Guardian.

A tabela foi realizada pelo grupo de reflexão para a política do ensino superior Wonkhe e encabeçada pela primeira-ministra britânica, Theresa May.

Moedas surge em quarto lugar devido, escreve o diário britânico, "à considerável influência que terá sobre os sobre os pontos mais delicados da política de ensino superior durante o 'Brexit'".

Segundo o Wonkhe, o setor do ensino superior terá que trabalhar muito com o comissário para "conseguir uma boa negociação pós-'Brexit'", salientando que Moedas já começou a conversar com o ministro britânico para o ensino superior e ciência, Jo Johnsosn (em sétimo lugar na tabela) sobre o estatuto dos programas do Horizonte 2020 que envolvem universidades britânicas.

O Segundo lugar do 'ranking' pertence à chanceler alemã, Angela Merkel, uma vez "os termos da saída do Reino Unido [do bloco europeu] terão que ser aprovados pelos Estados-membros da União Europeia, mas nada será acordado sem o consentimento da Alemanha.

O Reino Unido decidiu, por referendo, em junho, deixar a União Europeia, tendo agora o Governo de Londres que invocar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa para se poderem iniciar as condições de saída.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Danças e cantares
    3:49
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.