sicnot

Perfil

País

GNR deteve 6.350 pessoas durante operação "verão seguro 2016"

A GNR deteve 6.350 pessoas durante a operação "verão seguro 2016", tendo a criminalidade diminuído 8% durante os meses de verão em relação ao mesmo período de 2015, indicou esta sexta-feira a corporação.

Num comunicado de balanço da operação "verão seguro 2016", que se realizou entre 01 de junho e 15 de setembro, a Guarda Nacional Republicana refere que as ações de patrulhamento realizadas pelos 1.122 militares contribuíram para a redução de 8% da criminalidade em relação ao mesmo período de 2015.

Segundo a GNR, foram detidas 6.350 pessoas em flagrante delito, sendo a maioria por condução sob efeito do álcool (3.320) e sem habilitação legal (1.241), seguido de tráfico de droga (579), furto (275) e posse de arma proibida (198).

A GNR registou ainda, durante os meses de verão, quatro detenções por homicídio.

No âmbito da operação "verão seguro 2016", a força de segurança apreendeu 770 armas, 504 das quais de fogo, 15.692 munições de diversos calibres e 2,4 toneladas de drogas, o equivalente a 8,4 milhões de doses, sendo a maioria haxixe e liamba.

Em relação à fiscalização rodoviária, a GNR registou, entre 1 de junho e 15 de setembro, uma diminuição de cerca de 11% do número de crimes rodoviários.

Também no âmbito das contraordenações, os militares da corporação registaram um decréscimo das infrações, sobretudo de excesso de velocidade e não utilização dos sistemas de retenção.

De acordo com a GNR, 43.520 condutores foram multados por excesso de velocidade, 7.887 por falta de cinto de segurança, 9.381 por excesso de álcool, 6.639 por uso do telemóvel ao volante e 6.376 por falta de inspeção.

Durante o verão, a GNR vigiou ainda 1.713 habitações no âmbito do programa "chave direta", que permitiu garantir a segurança das casas durante as férias, através da realização de ações de patrulhamento junto das habitações.

O reforço de patrulhamento realizou-se sobretudo nos locais de maior fluxo de pessoas e nos principais eixos rodoviários durante o verão.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.