sicnot

Perfil

País

GNR deteve 6.350 pessoas durante operação "verão seguro 2016"

A GNR deteve 6.350 pessoas durante a operação "verão seguro 2016", tendo a criminalidade diminuído 8% durante os meses de verão em relação ao mesmo período de 2015, indicou esta sexta-feira a corporação.

Num comunicado de balanço da operação "verão seguro 2016", que se realizou entre 01 de junho e 15 de setembro, a Guarda Nacional Republicana refere que as ações de patrulhamento realizadas pelos 1.122 militares contribuíram para a redução de 8% da criminalidade em relação ao mesmo período de 2015.

Segundo a GNR, foram detidas 6.350 pessoas em flagrante delito, sendo a maioria por condução sob efeito do álcool (3.320) e sem habilitação legal (1.241), seguido de tráfico de droga (579), furto (275) e posse de arma proibida (198).

A GNR registou ainda, durante os meses de verão, quatro detenções por homicídio.

No âmbito da operação "verão seguro 2016", a força de segurança apreendeu 770 armas, 504 das quais de fogo, 15.692 munições de diversos calibres e 2,4 toneladas de drogas, o equivalente a 8,4 milhões de doses, sendo a maioria haxixe e liamba.

Em relação à fiscalização rodoviária, a GNR registou, entre 1 de junho e 15 de setembro, uma diminuição de cerca de 11% do número de crimes rodoviários.

Também no âmbito das contraordenações, os militares da corporação registaram um decréscimo das infrações, sobretudo de excesso de velocidade e não utilização dos sistemas de retenção.

De acordo com a GNR, 43.520 condutores foram multados por excesso de velocidade, 7.887 por falta de cinto de segurança, 9.381 por excesso de álcool, 6.639 por uso do telemóvel ao volante e 6.376 por falta de inspeção.

Durante o verão, a GNR vigiou ainda 1.713 habitações no âmbito do programa "chave direta", que permitiu garantir a segurança das casas durante as férias, através da realização de ações de patrulhamento junto das habitações.

O reforço de patrulhamento realizou-se sobretudo nos locais de maior fluxo de pessoas e nos principais eixos rodoviários durante o verão.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.