sicnot

Perfil

País

Governo promete 684 novas camas de cuidados continuados até ao final do ano

O Governo vai celebrar até ao final do ano 49 contratos-programa para disponibilizar 684 novas camas de cuidados continuados integrados, em vários pontos do país, avançou esta sexta-feira à Lusa o secretário de Estado adjunto e da Saúde.

"Tínhamos cerca de 7.800 camas abertas até ao final de 2015 e até ao final de 2016 teremos cerca de 8.400 camas", assinalou Fernando Araújo, falando de um aumento de 26%.

O conjunto dos novos contratos-programa aponta para um investimento de 100 milhões de euros até 2018, acrescentou.

Falando à Lusa, na localidade de Figueira, no concelho de Penafiel, onde hoje inaugurou uma unidade de cuidados continuados de longa duração e manutenção, com 25 camas, o secretário de Estado afirmou que é propósito do Governo, até ao final da legislatura, concluir a rede nacional, atingindo as 14.000 camas previstas.

"Esperamos eventualmente até ao final desta legislatura tentar chegar a esse valor, que é extremamente ambicioso, numa altura em que temos orçamentos de Estado extremamente exigentes", assinalou.

Apesar disso, prosseguiu, o Governo vai "tentar construir este tipo de respostas", em articulação com as associações locais de solidariedade social e com as autarquias.

Com a inauguração de hoje, a região do Tâmega e Sousa passa a contar com 244 camas, o que representa 93% das necessidades, uma das melhores taxas do país, segundo destacou o governante.

Além da unidade de Penafiel, o secretário de Estado inaugurou hoje outro equipamento idêntico na localidade de Polvoreira, no concelho de Guimarães, Guimarães, com capacidade para 30 camas de média duração e reabilitação,

A região norte do país, anotou Fernando Araújo, é a que está mais avançada neste tipo de resposta, com 2.889 camas, graças ao maior dinamismo da sua rede de instituições sociais.

"A região norte em geral tem conseguido este desenvolvimento muito virtuoso nestes 10 anos da rede e que nos dá uma segurança enorme de que vamos, pelo menos na região norte, atingir até ao final da legislatura o objetivo pretendido", reforçou.

Questionado pela Lusa sobre a região com mais necessidades na área dos cuidados continuados, Fernando Araújo apontou a zona de Lisboa como a que apresenta um menor número de camas.

O secretário de Estado não avançou com um número concreto, mas adiantou que a tutela e a Misericórdia de Lisboa estão a "desenhar um plano do ponto de vista estratégico para conseguir dar um impulso novo".

"Eu tenho a noção clara de que, até ao final da legislatura, iremos mudar radicalmente o panorama de Lisboa relativamente aos cuidados continuados integrados", previu.

A unidade de cuidados continuados, executada pela associação local, hoje inaugurada, tem 25 camas e custou cerca de 1,5 milhões de euros, um milhão dos quais comparticipado por fundos comunitários.

A unidade estava pronta há mais de dois anos, mas não tinha ainda sido celebrado o contrato-programa com o Estado que garante o seu pleno funcionamento.

O novo equipamento vai permitir criar 20 novos postos de trabalho.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.