sicnot

Perfil

País

Segurança Social alerta para burlas e diz que não faz cobranças porta-a-porta

O Instituto da Segurança Social alertou esta sexta-feira para burlas envolvendo o nome da instituição e avisou que não atribui prémios ou gratificações nem cobra dívidas porta-a-porta, pelo que em situações idênticas a polícia deve ser avisada.

Em comunicado, o Instituto pede à população para que sempre que seja abordada por pessoas em nome da Segurança Social, a pedir dinheiro ou cobrar dívidas, contacte de imediato as forças policiais.

O aviso surge depois de notícias de cidadãos alvo de fraudes e burlas por parte de pessoas que se fazem passar por funcionários da Segurança Social, sendo as vítimas normalmente pessoas idosas e em zonas isoladas que são contactadas nas suas casas.

Há casos, explica-se no comunicado, em que os supostos funcionários falam de prémios e induzem as pessoas a mostrar o dinheiro que têm. E há outros em que são referidos valores de pensões pagos por engano, que é preciso devolver.

O Instituto dá ainda com exemplo casos de indivíduos que dizem ser fiscais ou inspetores da Segurança Social e que vão cobrar multas, levando as vítimas a mostrar o dinheiro que têm em casa ou a fazer levantamentos no multibanco para pagar a suposta dívida.

"Em qualquer uma das situações enunciadas, o objetivo principal é no imediato a obtenção de valores, dinheiro ou outros, ou ficarem a saber se as pessoas dispõem de dinheiro nas suas casas", alerta o Instituto.

Lusa

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.