sicnot

Perfil

País

António Costa indiferente a sondagens sobre eleições que o país não vai ter

António Costa indiferente a sondagens sobre eleições que o país não vai ter

O primeiro-ministro desvaloriza a sondagem que dava uma vantagem ao PS, caso as legislativas fossem hoje. António Costa diz que este é um assunto para o futuro e insiste que, no presente, a maioria de esquerda está a funcionar.

O primeiro-ministro, António Costa, escusou-se a comentar uma sondagem hoje publicada segundo a qual o PS venceria as eleições legislativas, sustentando que essas eleições não vão ter lugar agora, mas apenas daqui a três anos.

"Não vou comentar sondagens, sobretudo relativamente a eleições que não vamos ter. Nós temos felizmente hoje uma situação politicamente estabilizada no país, o ciclo eleitoral a nível nacional encerrou-se com a eleição do senhor Presidente da República, e agora as únicas eleições que temos em agenda são as eleições regionais nos Açores, muito brevemente, e daqui a um ano eleições autárquicas", apontou, em declarações em Viena, à saída de um encontro bilateral com o chanceler austríaco, Christian Kern.

Segundo Costa, "as eleições legislativas é um assunto para daqui a três anos, e até lá muita água há de correr por baixo da ponte, muitas sondagens hão de aparecer", e será então nessa altura que olhará para as sondagens.

Até lá, sustentou, o Governo vai fazer aquilo que lhe compete, que é "governar e aproveitar esta estabilidade que hoje existe", fruto de "uma maioria parlamentar que funciona, que tem um programa que está a cumprir", de haver "uma relação institucional com o Presidente da República não só normal como frutuosa", de haver "uma autonomia do poder judicial respeitada, autonomia do poder regional respeitada e reposta a normalidade do relacionamento com as autarquias locais".

"Portanto, o país tem regressado à normalidade, como simbolicamente pudemos verificar esta semana com a tranquilidade com que abriu o ano letivo e é nisso que nos devemos concentrar", concluiu.

Uma consulta da Eurosondagem para o Expresso e SIC hoje divulgada aponta que se as eleições fossem hoje os socialistas seriam os vencedores (com 36%), deixando os sociais-democratas a quase quatro pontos de distância (com 32,1%).

Com Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.