sicnot

Perfil

País

Ex-inspetor da PJ condenado a 5 anos de prisão por corrupção

O ex-inspetor da Polícia Judiciária João Sousa foi condenado esta terça-feira a 5 anos e 6 meses de prisão. Em causa estão os crimes de corrupção passiva, recebimento ilícito de vantagem e violação de segredo de funcionário.

O Tribunal deu como provado o envolvimento numa rede que se dedicava à venda de ouro e que escapava ao Fisco. O ex-inspetor acedia às informações da Polícia Judiciária e informava a rede das atividades da polícia. Em contrapartida, recebia dinheiro.

João Sousa estava detido preventivamente desde 2014. O julgamento decorreu no Tribunal do Seixal.

  • Ex-inspetor da PJ acusado de ajudar rede de tráfico de ouro nega todas as acusações
    1:55

    País

    O ex-inspetor da Polícia Judiciária acusado de ajudar uma rede de tráfico de ouro negou todas as acusações. João de Sousa, também conhecido pelos comentários que fez na prisão de Évora sobre José Sócrates, disse ainda que outros arguidos foram coagidos para o incriminar. Ministério Público diz que João era peça chave na associação criminosa e a toupeira dentro da Judiciária. O esquema de venda de ouro no estrangeiro terá lesado o fisco em 6,5 milhões de euros.

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50