sicnot

Perfil

País

"Marcelo nunca viria aqui para fazer campanha eleitoral"

"Marcelo nunca viria aqui para fazer campanha eleitoral"

Bernardo Ferrão está em Nova Iorque a acompanhar a Assembleia-geral das Nações Unidas, onde Marcelo Rebelo de Sousa discursou e deixou uma mensagem de apoio a António Guterres. Segundo Bernardo Ferrão, Marcelo puxou os exemplos de Mandela e Gandhi para exemplificar as qualidades que o futuro secretário-geral da ONU deve ter.

O enviado da SIC diz também que o Presidente da República nunca mencionou o nome de Guterres, uma vez que poderia ser prejudicial para o ex-primeiro-ministro, e que Marcelo nunca fazia campanha eleitoral a Guterres num discurso daquele tipo.

Afirma ainda que o que se pretende é que Guterres seja "mais visto como um cidadão do mundo"

  • Marcelo quer secretário-geral da ONU na linha de Gandhi e Mandela
    1:05

    País

    O Presidente da República deixou na Assembleia-geral das Nações Unidas uma mensagem de apoio à candidatura de António Guterres. Sem referir o nome do ex-primeiro-ministro, Marcelo fez votos para que o perfil do próximo secretário-geral seja de alguém conciliador e com capacidade de liderança, na linha de Gandhi e Mandela. Esta foi a primeira vez enquanto chefe de Estado de Portugal, que Marcelo se dirigiu a esta assembleia em Nova Iorque.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.