sicnot

Perfil

País

Repórter entrevista Marcelo sem saber quem ele é

Um repórter francês do Canal+ entrevistou Marcelo Rebelo de Sousa, em Nova Iorque, sem saber que estava a falar com o Presidente da República português. O pivot em estúdio acabou por apoiar Martin Weill, desvalorizando a situação.

Martin Weill é o enviado aos Estados Unidos para cobrir a sessão da Assembleia-geral das Nações Unidas.

O repórter abordou a comitiva portuguesa para falar com Marcelo e perguntou-lhe sobre as eleições presidenciais norte-americanas. O Presidente respondeu que não comentava os "problemas dos outros países, sobretudo se se tratassem de países amigos e aliados".

Ainda em entrevista, o francês perguntou a que delegação Marcelo pertencia e que cargo detinha. Sem nunca perder o sorriso, Marcelo esclareceu o repórter, acabando por surpreendê-lo.

O pivot em estúdio acabou por apoiar Martin Weill, desvalorizando a gravidade da situação. O vídeo já está nas redes sociais.

Veja aqui a entrevista do Canal+ ao Presidente da República em Nova Iorque.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.