sicnot

Perfil

País

Oito militares e oito elementos da GNR e PSP para missão da ONU na Colômbia

O Governo disponibilizou até oito militares das Forças Armadas e mais oito elementos das forças de segurança para a missão das Nações Unidas que irá monitorizar a aplicação do acordo de paz entre o Governo colombiano e as FARC.

De acordo com o gabinete do ministro da Defesa, foram disponibilizados até oito militares das Forças Armadas para a missão, num processo que está em fase de concurso e seleção ao nível da Organização das Nações Unidas (ONU).

O Conselho Superior de Defesa Nacional terá de dar um parecer prévio sobre a participação de militares portugueses naquela missão, estando prevista uma reunião daquele órgão para meados de outubro.

Questionado pela Lusa, fonte oficial do ministério da Administração Interna adiantou que se candidataram para a mesma missão cinco elementos da PSP e três da GNR.

Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade os detalhes da missão da organização que vai acompanhar a aplicação dos acordos de paz entre o Governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Os 15 membros do Conselho apoiaram uma resolução que autoriza a proposta apresentada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, incluindo a "dimensão, aspetos operativos e mandato" da missão.

O texto assinala o seu apoio à proposta do secretário-geral para que a ONU partilhe com o Governo colombiano o custo das instalações e serviços que serão utilizados em conjunto pelo pessoal internacional e nacional.

É ainda reconhecida a necessidade da rápida formação do mecanismo tripartido de verificação e seguimento, enquanto a missão é autorizada a dividir equitativamente com o Executivo o apoio necessário para a preparação e gestão das zonas em que se reunirão os membros da guerrilha para a entrega do armamento e desmobilização.

As Nações Unidas indicaram que no início do seu mandato, após a assinatura do acordo final, no próximo dia 26, em Cartagena, a missão vai ter aproximadamente 200 observadores, pelo que "estará em condições de iniciar a verificação, em conformidade com o mandato outorgado pelo Conselho de Segurança".

Na terça-feira, na sede da ONU em Nova Iorque, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, saudou o acordo de paz alcançado entre o Governo colombiano e as FARC e anunciou que Portugal vai contribuir com efetivos para a missão que irá monitorizar e verificar a aplicação do acordo.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.