sicnot

Perfil

País

Professores colocados em setembro não serão prejudicados

Os cerca de 2.700 professores colocados nas escolas com horários completos a 16 de setembro vão ter direito a ter todo o ano letivo contabilizado no tempo de serviço, informou esta quarta-feira o Ministério da Educação (ME).

Na passada sexta-feira, dia 16, foi conhecida a lista dos 5.987 professores que conseguiram lugar numa escola, dos quais cerca de 2.700 tiveram direito a um horário anual e completo.

Os docentes com cinco contratos anuais completos e sucessivos na mesma área entram automaticamente para os quadros.

No entanto, como os resultados da 2.ª Reserva de Recrutamento foi divulgada apenas dia 16, estes 2.700 docentes ficaram de fora porque o prazo legal terminava a 15 de setembro.

A situação levou a que vários sindicatos pedissem ao Ministério da Educação (ME) que corrigisse o problema, tal como já aconteceu no ano passado.

Questionado pela Lusa, fonte do gabinete de comunicação do ME garantiu que os docentes não serão penalizados.

"Cumprindo-se o calendário previsto e anunciado, a reserva de recrutamento 2 correu na última sexta-feira, 16 de setembro. Os horários que foram preenchidos nesta reserva de recrutamento foram solicitados pelas escolas a 13 de setembro - dias antes da data do final do início letivo -, pelo que não haverá professores penalizados na contagem do tempo de serviço por conta da data em que correu esta segunda RR, já que a mesma retroage a 1 de setembro", diz o ME.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.