sicnot

Perfil

País

Sindicato da PSP entrega documento com problemas da classe ao Governo

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) entregou esta quarta-feira no Ministério da Administração Interna (MAI) um documento com as questões que os polícias querem ver resolvidas nas próximas semanas.

O documento foi hoje aprovado durante uma reunião que juntou cerca de 80 dirigentes da ASPP em Lisboa e, no final do encontro, decidiram entregá-lo "em mão" no MAI, disse à agência Lusa o presidente do sindicato.

Paulo Rodrigues adiantou que não estava prevista a entrega do documento pelos dirigentes no MAI, tendo sido tomada a decisão na reunião.

Os cerca de 80 dirigentes concentraram-se junto à Câmara Municipal de Lisboa e seguiram a pé até ao MAI, no Terreiro do Paço, onde foram recebidos pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e entregaram o documento

Entre as questões que os polícias querem ver resolvidas está a abertura de concursos para todas as categorias, tal como aconteceu na GNR, afirmou o presidente da ASPP.

Segundo Paulo Rodrigues, há dois postos -- chefe e agente coordenador - que foram criadas com o novo estatuto profissional e que os concursos deviam ter sido abertos em janeiro, mas ainda não aconteceu.

A ASPP exige também que sejam admitidos para a PSP, pelo menos, 500 novos agentes, e que sejam descongeladas as progressões horizontais.

Questões relacionadas com o subsídio de insularidade, destinado aos polícias que trabalham na Madeira e nos Açores, e a falta de regulamentação da higiene e segurança no trabalho constam também do documento.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras