sicnot

Perfil

País

Sindicato da PSP entrega documento com problemas da classe ao Governo

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) entregou esta quarta-feira no Ministério da Administração Interna (MAI) um documento com as questões que os polícias querem ver resolvidas nas próximas semanas.

O documento foi hoje aprovado durante uma reunião que juntou cerca de 80 dirigentes da ASPP em Lisboa e, no final do encontro, decidiram entregá-lo "em mão" no MAI, disse à agência Lusa o presidente do sindicato.

Paulo Rodrigues adiantou que não estava prevista a entrega do documento pelos dirigentes no MAI, tendo sido tomada a decisão na reunião.

Os cerca de 80 dirigentes concentraram-se junto à Câmara Municipal de Lisboa e seguiram a pé até ao MAI, no Terreiro do Paço, onde foram recebidos pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e entregaram o documento

Entre as questões que os polícias querem ver resolvidas está a abertura de concursos para todas as categorias, tal como aconteceu na GNR, afirmou o presidente da ASPP.

Segundo Paulo Rodrigues, há dois postos -- chefe e agente coordenador - que foram criadas com o novo estatuto profissional e que os concursos deviam ter sido abertos em janeiro, mas ainda não aconteceu.

A ASPP exige também que sejam admitidos para a PSP, pelo menos, 500 novos agentes, e que sejam descongeladas as progressões horizontais.

Questões relacionadas com o subsídio de insularidade, destinado aos polícias que trabalham na Madeira e nos Açores, e a falta de regulamentação da higiene e segurança no trabalho constam também do documento.

Lusa

  • "Afinal, o diabo não chegou em setembro"

    Economia

    Catarina Martins considera que os dados da Execução Orçamental mostram uma redução grande do défice e que são a prova de que "afinal o diabo não chegou em setembro". Os dados foram analisados da Esquerda à Direita e, se por um lado, a Direita não ficou convencida, a Esquerda considera que o Governo está no rumo certo.

  • Passos diz que o Governo quer isentar o PS da desgraça dos últimos anos

    Economia

    Passos Coelho não acredita que o País consiga um défice inferior a 2,5%. No dia em que esteve em Castelo Branco e Santarém, o líder da oposição acusou o Governo de ser responsável pelo fraco investimento e voltou a comparar a governação de António Costa à de José Sócrates. Passos acusou ainda o PS de querer reescrever a história para se isentar do que aconteceu nos últimos anos.

  • 43 anos na cadeira de rodas por diagnóstico errado
  • Rei saudita corta salários a ministros em 20%

    Mundo

    O Governo do rei saudita, Salman, decidiu esta seguda-feira reduzir os salários dos seus ministros em 20% e cortou benefícios a outros agentes estatais, continuando uma política de austeridade em resposta à decida do preço do petróleo.

  • Obama e Anthony Bourdain numa tasca no Vietname
  • Paris vai abrir o primeiro parque nudista

    Mundo

    A Câmara de Paris aprovou esta segunda-feira um plano para criar um parque exclusivo para nudistas na capital francesa. De acordo com a lei em França, os franceses podem pagar uma multa até 15 mil euros ou arriscar um ano de prisão se forem apanhados nus em público.

  • Desconforto entre Ronaldo e Zidane?
  • Responda às Perguntas da Semana
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    A liderança do Benfica no campeonato, as derrotas do Sporting de Jorge Jesus, e a qualidade do plantel do FC Porto são alguns dos temas das perguntas desta semana. Participe no Tempo Extra e responda às questões lançadas por Rui Santos.