sicnot

Perfil

País

Inquérito revela que clientes da Uber estão muito satisfeitos com serviço

Um inquérito do ISCTE, esta quinta-feira divulgado, apurou um elevado grau de satisfação entre os clientes da Uber com o serviço recebido, o que se traduziu na recomendação desta alternativa de transporte a amigos.

Segundo o comunicado de divulgação do estudo, o inquérito incidiu sobre uma amostra de 900 pessoas (600 não utilizadores do serviço e 300 utilizadores), com idades entre 25 e 44 anos, tendo o trabalho de campo sido realizado em agosto último.

Pedro Fontes Falcão, coordenador da investigação e docente da ISCTE Business School, realçou, no comunicado, que "as avaliações (dos clientes da Uber) são fortemente positivas, na vertente da qualidade de serviço, orientação para o cliente, experiência emocional e vínculo afetivo, bem como fidelização à marca".

Das conclusões da investigação, realizada pelo centro de empreendedorismo do ISCTE, designado Audax, foi destacada a razão que motivou os utilizadores a usar a Uber pela primeira vez, a saber, "a perceção de boa qualidade de serviço", apontada por 99%.

Entre os que repetiram a utilização deste serviço, o conforto, destacado por 99%, e a segurança de condução do motorista, mencionada por 96%, foram as explicações mais salientes.

Não é assim de admirar que 96% dos utilizadores concordem com a continuação da operação desta plataforma de transporte em Portugal, onde está disponível em Lisboa, Porto e Algarve.

A Uber, que chegou a Portugal em 2014, tem suscitado fortes reações negativas dos taxistas.

As organizações representativas do setor do táxi anunciaram uma concentração em Lisboa, a 10 de outubro, para contestar a atividade de plataformas como a Uber e a Cabify (que permitem pedir carros de transporte de passageiros, com uma aplicação para 'smartphones' que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte), por considerarem que funcionam de forma ilegal.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT) espera reunir seis mil veículos no protesto. "Só estamos a pedir uma coisa: o governo tem que fazer cumprir a lei", afirmou Carlos Ramos, em declarações à imprensa, no dia 17.

Insistindo na consideração de ilegalidade destas plataformas, Carlos Ramos insistiu: "Não podem circular na cidade de Lisboa. Têm que ser apreendidos. Se o Governo não o fizer, nós temos que os fazer parar e queremos fazê-lo de forma pacífica, mas se acontecer alguma coisa, responsabilizamos o Governo".

Lusa

  • Governo garante posição de princípio contra mexidas nos cinco escalões do IRS

    Economia

    Sobre as alterações no IRS, uma mexida nos escalões significa uma perda de receita de centenas de milhões de euros. Fontes do governo garantiram à SIC que nada está fechado, mas que há uma posição de princípio contra mexidas nos cinco escalões atuais. Do lado dos parceiros, em particular do PCP, há avisos sobre o pacote fiscal e sobre o aumento das pensões.

  • Bombardeamentos dos últimos três dias provocaram mais de 200 mortes em Alepo
  • Ajuda humanitária chega a quatro localidades sírias

    Mundo

    Um comboio de ajuda humanitária constituído por 71 camiões conseguiu este domingo chegar às localidades sírias sitiadas de Madaya e Zabadani, nos arredores de Damasco, e a Fua e Kefraya, no norte, pela primeira vez desde abril.

  • Duques de Cambridge em visita ao Canadá

    Mundo

    William e Kate aterraram no Canadá para uma visita oficial de uma semana. Milhares de pessoas participaram na receção aos duques de Cambridge, mas as atenções viraram-se para os filhos.