sicnot

Perfil

País

Inquérito revela que clientes da Uber estão muito satisfeitos com serviço

Um inquérito do ISCTE, esta quinta-feira divulgado, apurou um elevado grau de satisfação entre os clientes da Uber com o serviço recebido, o que se traduziu na recomendação desta alternativa de transporte a amigos.

Segundo o comunicado de divulgação do estudo, o inquérito incidiu sobre uma amostra de 900 pessoas (600 não utilizadores do serviço e 300 utilizadores), com idades entre 25 e 44 anos, tendo o trabalho de campo sido realizado em agosto último.

Pedro Fontes Falcão, coordenador da investigação e docente da ISCTE Business School, realçou, no comunicado, que "as avaliações (dos clientes da Uber) são fortemente positivas, na vertente da qualidade de serviço, orientação para o cliente, experiência emocional e vínculo afetivo, bem como fidelização à marca".

Das conclusões da investigação, realizada pelo centro de empreendedorismo do ISCTE, designado Audax, foi destacada a razão que motivou os utilizadores a usar a Uber pela primeira vez, a saber, "a perceção de boa qualidade de serviço", apontada por 99%.

Entre os que repetiram a utilização deste serviço, o conforto, destacado por 99%, e a segurança de condução do motorista, mencionada por 96%, foram as explicações mais salientes.

Não é assim de admirar que 96% dos utilizadores concordem com a continuação da operação desta plataforma de transporte em Portugal, onde está disponível em Lisboa, Porto e Algarve.

A Uber, que chegou a Portugal em 2014, tem suscitado fortes reações negativas dos taxistas.

As organizações representativas do setor do táxi anunciaram uma concentração em Lisboa, a 10 de outubro, para contestar a atividade de plataformas como a Uber e a Cabify (que permitem pedir carros de transporte de passageiros, com uma aplicação para 'smartphones' que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte), por considerarem que funcionam de forma ilegal.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT) espera reunir seis mil veículos no protesto. "Só estamos a pedir uma coisa: o governo tem que fazer cumprir a lei", afirmou Carlos Ramos, em declarações à imprensa, no dia 17.

Insistindo na consideração de ilegalidade destas plataformas, Carlos Ramos insistiu: "Não podem circular na cidade de Lisboa. Têm que ser apreendidos. Se o Governo não o fizer, nós temos que os fazer parar e queremos fazê-lo de forma pacífica, mas se acontecer alguma coisa, responsabilizamos o Governo".

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.