sicnot

Perfil

País

Maria José Morgado diz que há alçapões legais que dificultam luta contra a corrupção

A procuradora-geral distrital de Lisboa disse esta quinta-feira que "continua a haver muitos alçapões legais" na legislação portuguesa que dificultam a investigação criminal e a condenação dos fenómenos de corrupção.

"Apesar da muita legislação produzida e do muito que se tem avançado na luta contra a corrupção nos últimos anos em Portugal, continua a haver muitos alçapões legais" e o quadro legal existente potencia dificuldades na investigação e depois em sede de condenação criminal", disse Maria José Morgado, antiga diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP).

A procuradora-geral adjunta falava na 2.ªa Conferência do Observatório para as Condições de Vida, a decorrer hoje e sexta-feira na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa.

Num painel dedicado ao tema "Problemas de justiça numa sociedade desigual", Maria José Morgado fez uma intervenção sobre "Os custos da corrupção", na qual sublinhou que a sua intervenção "não acrescentaria nada" ao que tem defendido "ao longo de muitos anos".

Ao referir que não falta legislação contra a corrupção em Portugal, Maria José Morgado defendem mecanismos de fiscalização ao nível da prevenção do fenómeno.

Porque a situação "melhorou muito, mas não é ainda a desejável no sentido de fortalecer as instituições públicas para detetarem precocemente fenómenos de corrupção", observou.

"É quase como o cancro, se não for detetado precocemente, depois há tantas metástases que não há nada a fazer", disse a procuradora, alertando que não basta haver códigos de conduta na administração pública se não houver mecanismos de fiscalização.

Entre os obstáculos no combate à corrupção, Maria José Morgado mencionou a legislação "frouxa" de proteção ao denunciante, a falta de recursos -- "que chega a ser caricata" - nos DIAP, a falta de autonomia financeira dos mesmos e o sigilo bancário.

A procuradora-geral adjunta disse ainda continuar a haver em Portugal "zonas problemáticas e de risco" entre as quais citou a dos contratos públicos e a conduta dos políticos em "fenómenos de porta giratória" ou seja, quando estes usam os cargos políticos como plataforma de passagem para empresas privadas.

"Isto não é corrupção diretamente, mas é uma espécie de húmus que cria terreno favorável ao estabelecer da patologia", disse, a propósito.

Moderado pelo sociólogo António Pedro Dores, o painel contou ainda com a participação da professora catedrática Maria Eduarda Gonçalves. Prevista estava também a participação de Carlos Moreno, juiz jubilado do Tribunal de Contas, que não esteve presente por se encontrar doente.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.