sicnot

Perfil

País

Maria José Morgado diz que há alçapões legais que dificultam luta contra a corrupção

A procuradora-geral distrital de Lisboa disse esta quinta-feira que "continua a haver muitos alçapões legais" na legislação portuguesa que dificultam a investigação criminal e a condenação dos fenómenos de corrupção.

"Apesar da muita legislação produzida e do muito que se tem avançado na luta contra a corrupção nos últimos anos em Portugal, continua a haver muitos alçapões legais" e o quadro legal existente potencia dificuldades na investigação e depois em sede de condenação criminal", disse Maria José Morgado, antiga diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP).

A procuradora-geral adjunta falava na 2.ªa Conferência do Observatório para as Condições de Vida, a decorrer hoje e sexta-feira na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa.

Num painel dedicado ao tema "Problemas de justiça numa sociedade desigual", Maria José Morgado fez uma intervenção sobre "Os custos da corrupção", na qual sublinhou que a sua intervenção "não acrescentaria nada" ao que tem defendido "ao longo de muitos anos".

Ao referir que não falta legislação contra a corrupção em Portugal, Maria José Morgado defendem mecanismos de fiscalização ao nível da prevenção do fenómeno.

Porque a situação "melhorou muito, mas não é ainda a desejável no sentido de fortalecer as instituições públicas para detetarem precocemente fenómenos de corrupção", observou.

"É quase como o cancro, se não for detetado precocemente, depois há tantas metástases que não há nada a fazer", disse a procuradora, alertando que não basta haver códigos de conduta na administração pública se não houver mecanismos de fiscalização.

Entre os obstáculos no combate à corrupção, Maria José Morgado mencionou a legislação "frouxa" de proteção ao denunciante, a falta de recursos -- "que chega a ser caricata" - nos DIAP, a falta de autonomia financeira dos mesmos e o sigilo bancário.

A procuradora-geral adjunta disse ainda continuar a haver em Portugal "zonas problemáticas e de risco" entre as quais citou a dos contratos públicos e a conduta dos políticos em "fenómenos de porta giratória" ou seja, quando estes usam os cargos políticos como plataforma de passagem para empresas privadas.

"Isto não é corrupção diretamente, mas é uma espécie de húmus que cria terreno favorável ao estabelecer da patologia", disse, a propósito.

Moderado pelo sociólogo António Pedro Dores, o painel contou ainda com a participação da professora catedrática Maria Eduarda Gonçalves. Prevista estava também a participação de Carlos Moreno, juiz jubilado do Tribunal de Contas, que não esteve presente por se encontrar doente.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.