sicnot

Perfil

País

Governo estuda mais de 150 medidas para recuperar o interior

O Governo vai analisar no início de outubro um conjunto de "155 medidas concretas" para valorizar o interior do país, de acordo com um relatório apresentado esta sexta-feira, revelou o ministro adjunto Eduardo Cabrita.

O relatório do Programa Nacional de Coesão Territorial foi elaborado pela Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), criada em março, e foi hoje apresentado em Lisboa numa reunião do Conselho de Concertação Territorial (CCT), que teve a presença do primeiro-ministro, do ministro-adjunto, dos ministros das Finanças, da Economia, das Infraestruturas e do Ambiente, além de representantes dos municípios, das freguesias, das áreas metropolitanas e das comunidades intermunicipais.

No final do encontro, o ministro-adjunto, Eduardo Cabrita, destacou, sem concretizar, que o documento "integra cinco eixos de ação, integra oito áreas de desenvolvimento de políticas e integra na sua atual formulação 155 medidas concretas, com uma dimensão transversal, envolvendo todas as áreas de promoção das políticas públicas".

O governante destacou que o documento será enviado para apreciação a todas as entidades que fazem parte do CCT e será avaliado pelo Conselho de Ministros "no início de outubro".

No encontro do CCT foi ainda feito um balanço da preparação do processo de descentralização de competências para as autarquias que o Governo quer ter pronto já no início do próximo ano, para desenvolver no terreno a partir das próximas eleições autárquicas, em 2017.

Eduardo Cabrita destacou que foi feito um ponto da situação do que está a ser desenvolvido por sete grupos técnicos de trabalho - nas áreas da educação, da saúde, da ação social, do ambiente, ordenamento do território e mar, das finanças locais, de questões gerais de descentralização e um grupo específico da Associação Nacional de freguesias.

"Estes grupos de trabalho estão em pleno funcionamento, em articulação com o Governo, e até ao final deste ano concluirão o processo de discussão de todas as matérias que nos permitirão ter no início do ano, na Assembleia da República [...], o conjunto de reformas institucionais que permitam iniciar o próximo ciclo autárquico, decorrente das eleições do final de 2017, com um novo quadro de atribuições e competências", salientou.

O CCT foi criado em março de 2014 "para debater assuntos com dimensão territorial relevantes" e tem entre os seus objetivos principais a promoção da coesão e o desenvolvimento territoriais. É presidido pelo primeiro-ministro.

Outro tema tratado no encontro foi a avaliação da execução dos fundos europeus.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, recordou que mais de 300 projetos de autarquias foram já aprovados no âmbito do programa de apoio comunitário Portugal 2020, principalmente na área da reabilitação urbana.

O governante afirmou que, após o processo de desbloqueamento de várias áreas de investimento, em articulação com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), existem "cerca de 2.500 milhões de euros de investimento autárquico ao qual os municípios se podem candidatar", tendo sido já apresentadas "candidaturas a cerca de 1.300 milhões de euros de investimento autárquico".

Por seu lado, o presidente da ANMP, Manuel Machado, criticou "os pequenos poderes entre o Governo e os municípios" que atrasam a execução dos projetos e mostrou disponibilidade "para acompanhar o Governo português junto da União Europeia" na eventualidade do congelamento dos fundos europeus, caso Portugal não cumpra os limites impostos ao défice nacional.

"Seria extremamente grave, lesivo do interesse nacional e lesivo do interesse da própria União Europeia. Seria uma medida administrativa extremamente fatal para a economia nacional, para os investimentos que é necessário fazer e também não seria abonatória do trabalho da própria Comissão Europeia", considerou.

LUSA

  • Governo aprova incentivos à ida de médicos para o interior e novas restrições ao tabaco
    1:40

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira legislação que pretende reforçar a resposta do Serviço Nacional de Saúde. Entre as medidas aprovadas no Conselho de Ministros, dedicado à saúde, estão incentivos à mobilidade de médicos para o interior e novas restrições ao tabaco.O ministro da Saúde, Aldalberto Campos Fernandes, disse que criação de registo oncológico nacional é um avanço enorme no conhecimento e tratamento.

  • Incentivos levaram apenas 20 médicos para o interior
    1:35

    País

    O pacote de medidas foi aprovado pelo governo de Passos Coelho em 2015. Inclui pagamento extra no ordenado, mais dois dias de férias por cada um dos cinco anos de contrato e ajuda na colocação dos filhos na escola. Ainda assim, apenas 20 especialistas aceitaram a proposta de ir trabalhar para as zonas carenciadas.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.