sicnot

Perfil

País

MP investiga morte de funcionário do aeroporto de Lisboa

O Ministério Público abriu um inquérito à morte de um funcionário do aeroporto de Lisboa que, segundo o sindicato de trabalhadores da Inspeção Tributária, não foi assistido a tempo devido, em parte, à inexistência de um desfibrilhador na alfândega.

"Confirma-se a existência de um inquérito a correr termos no DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Lisboa", disse à Lusa fonte da Procuradoria-Geral da República.

O funcionário João Moura morreu no sábado, depois de se ter sentido mal, tendo sido encontrado inanimado. A APIT -- Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira considera que a assistência foi demorada, em parte devido à inexistência de equipamento de emergência médica na alfândega do aeroporto.

"Não se entende que, num local onde estão centenas de trabalhadores de vários organismos, não exista aquilo que são os equipamentos de sobrevivência, de emergência médica, como é um desfibrilhador, e que deveria existir obrigatoriamente ali. Existe no lado dos passageiros, mas do lado da carga não", disse à Lusa António Castela, vice-presidente da APIT.

Segundo António Castela, o socorro prestado a João Moura foi demorado devido a "um conjunto de circunstâncias que se acumularam (...), desde a ambulância da Cruz Vermelha existente no aeroporto de Lisboa ter sido interditada de passar num caminho de circulação fora de pista, e que obrigou à chamada externa do INEM, que também teve de tirar 'ticket' de entrada e pagá-lo à saída com toda a morosidade existente".

"Calculamos que o colega esteve cerca de meia hora sem cuidados médicos, apesar de ter estado no local um outro colega da Groundforce, que tem curso de primeiros socorros, e de este lhe ter feito tentativas de reanimação", adiantou.

António Castela considerou "gravíssimo" que não haja equipamento de emergência médica nas instalações, lembrando que se trata de um aeroporto internacional.

O dirigente sindical defendeu que tanto do lado dos passageiros como "do lado de quem trabalha e suporta o aeroporto a funcionar" deveria existir o equipamento, já que por lei é obrigatório.

Segundo o responsável, existem "centenas de pessoas a trabalhar diariamente no local", que é também de acesso ao público, já que há armazéns, transitários, despachantes, alfândega e companhias de aviação.

O vice-presidente da APIT avançou ainda que a Direção Geral das Alfândegas já abriu um inquérito para apurar o que aconteceu no sábado, dia 18 de setembro.

Segundo o comunicado da APIT, emitido no sábado, é necessário também "analisar o indeferimento por parte da ANA (Vinci), na pessoa do seu supervisor em serviço no dia em causa, do acesso da viatura médica através de arruamentos do aeroporto que permitiriam um acesso mais rápido de cuidados médicos urgentes ao colega em causa".

A APIT solicitou ainda junto dos serviços médicos de urgência, que intervieram junto da vítima, "informações sobre a sua deslocação até junto do mesmo, as dificuldades encontradas e a informação prestada".

Lusa

  • Morte de funcionário põe em causa socorro no aeroporto de Lisboa
    2:36

    País

    O auxílio a um funcionário da Alfândega do Aeroporto da Portela está a levantar dúvidas. O homem foi socorrido pelo INEM quando, segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, havia uma ambulância da Cruz Vermelha a poucos metros. O homem acabou por morrer no Hospital de Santa Maria. A secretária de Estado dos Assuntos Fiscais, através da Autoridade Tributária, já pediu esclarecimentos à ANA, gestora dos aeroportos de Portugal.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.