sicnot

Perfil

País

Fuga de oxigénio num reservatório do Hospital de Oliveira de Azeméis

Após uma fuga de oxigénio num reservatório que abastece o Hospital de Oliveira de Azeméis esta madrugada, os bombeiros decidiram pelo corte do trânsito nos arruamentos envolventes à unidade de saúde, pouco depois restabelecido, disse à Lusa fonte dos Bombeiros. O alerta para os Bombeiros foi dado pouco depois da meia-noite.

"Rebentou uma válvula do reservatório que está situado no exterior do hospital e estava a haver fuga de oxigénio (,,,) decidimos cortar o trânsito", disse o comandante dos Bombeiros de Oliveira de Azeméis, Paulo Vitória.

O comandante Paulo Vitória esclareceu que não foi necessário evacuar o Hospital, afirmando que a situação "está controlada".

"Já fizemos o corte da válvula e o trânsito já foi reaberto", disse o mesmo responsável. Ao local acorreu de imediato um elemento da empresa que presta assistência ao equipamento.

Segundo Paulo Vitória, o reservatório em causa vai ficar inoperacional, tendo os Bombeiros já confirmado que o Hospital dispõe de reservas suficientes para garantir o abastecimento de oxigénio durante toda a noite às pessoas que estão internadas.

"Amanhã [sábado], a empresa que presta assistência ao equipamento irá recomeçar os trabalhos para repor a normalidade, sem haver constrangimentos de ter de tirar as pessoas dali e levá-las para outro Hospital", disse Paulo Vitória.

Com Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.