sicnot

Perfil

País

Fuga de oxigénio num reservatório do Hospital de Oliveira de Azeméis

Após uma fuga de oxigénio num reservatório que abastece o Hospital de Oliveira de Azeméis esta madrugada, os bombeiros decidiram pelo corte do trânsito nos arruamentos envolventes à unidade de saúde, pouco depois restabelecido, disse à Lusa fonte dos Bombeiros. O alerta para os Bombeiros foi dado pouco depois da meia-noite.

"Rebentou uma válvula do reservatório que está situado no exterior do hospital e estava a haver fuga de oxigénio (,,,) decidimos cortar o trânsito", disse o comandante dos Bombeiros de Oliveira de Azeméis, Paulo Vitória.

O comandante Paulo Vitória esclareceu que não foi necessário evacuar o Hospital, afirmando que a situação "está controlada".

"Já fizemos o corte da válvula e o trânsito já foi reaberto", disse o mesmo responsável. Ao local acorreu de imediato um elemento da empresa que presta assistência ao equipamento.

Segundo Paulo Vitória, o reservatório em causa vai ficar inoperacional, tendo os Bombeiros já confirmado que o Hospital dispõe de reservas suficientes para garantir o abastecimento de oxigénio durante toda a noite às pessoas que estão internadas.

"Amanhã [sábado], a empresa que presta assistência ao equipamento irá recomeçar os trabalhos para repor a normalidade, sem haver constrangimentos de ter de tirar as pessoas dali e levá-las para outro Hospital", disse Paulo Vitória.

Com Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.