sicnot

Perfil

País

Carros elétricos contribuem para metas climáticas e flexibilidade do sistema

A Agência Europeia do Ambiente salienta que o elevado peso dos veículos elétricos no futuro em Portugal contribui para o cumprimento das metas climáticas, mas alerta que pode levar ao consumo de grande parte da energia solar.

Um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês), hoje divulgado, analisa o papel dos veículos elétricos na redução das emissões de gases com efeito de estufa e na qualidade do ar nos próximos anos e refere Portugal como exemplo de potencial de desenvolvimento desta opção.

"Para atingir as metas de proteção do clima, uma quota de mercado de veículos elétricos significante pode consumir grande parte da produção de energia solar durante o dia. Ligar a carga de veículos elétricos à produção eólica é mais complexo devido à maior imprevisibilidade" do vento, refere a EEA.

Os especialistas da agência Europeia destacam que, para 2050, "Portugal atinge taxas de descarbonização muito altas ao conseguir uma quase completa eliminação da produção não renovável" e é apontado como "um exemplo interessante de um país com elevada procura de carros elétricos combinada com energias renováveis flutuantes".

Segundo o documento, a procura de veículos elétricos vai representar uma quota de 12% em 2050, enquanto as energias renováveis vão ser responsáveis por mais de 60% do fornecimento de eletricidade.

"Equilibrar a procura de energia e uma produção flutuante vai tornar-se cada vez mais desafiante e a procura de carros elétricos vai ter um papel importante na obtenção da necessária flexibilidade", acrescenta.

A EEA refere que será indispensável encontrar oportunidades para os carregamentos durante o dia, por exemplo nos locais de trabalho, e encontrar formas de fornecimento inteligentes.

A Associação Sistema Terrestre Sustentável - Zero comentou as conclusões do estudo da agência europeia pedindo um investimento forte e incentivos à mobilidade elétrica, como na compra de veículos, e energias renováveis, "devendo grande parte da prioridade ser canalizada para a energia solar".

"A mobilidade elétrica é o caminho a investir em Portugal para reduzir as emissões de carbono e de outros poluentes, em linha com os investimentos em energias renováveis, particularmente o aproveitamento da energia solar para a produção de energia elétrica", salienta um comunicado da associação liderada por Francisco Ferreira.

Também realça a referência que, no total da Europa, Portugal é aquele que em 2030 e 2050, menos necessita de emissões extra de dióxido de carbono pela produção através de centrais térmicas e que conseguirá tornar-se o país onde os veículos elétricos vão significar a solução mais amiga do ambiente, no âmbito de uma mobilidade mais sustentável.

A EEA salienta que os veículos elétricos podem contribuir para a redução das emissões e para a qualidade do ar, se forem usadas energias renováveis, mas os países devem estar preparados para o aumento do consumo de eletricidade relacionado com esta alternativa.

O total do consumo de eletricidade pelos automóveis vai aumentar de cerca de 0,03% em 2014 para 9,5% em 2050.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59