sicnot

Perfil

País

Grande maioria dos professores quer concurso gerido pelo Ministério da Educação

Quase todos os professores (95%) defende que o concurso público deve ser gerido "apenas pelo Ministério da Educação" e mais de 80% quer o "fim da norma-travão", indica um estudo feito a mais de cinco mil docentes.

"Em todos os grupos [de professores] mais de 95% quer que seja o Ministério da Educação a continuar a gerir o processo do concurso de professores. Essa é a principal conclusão do estudo", avançou hoje à Lusa Arlindo Ferreira, um dos professores responsáveis pelo inquérito, em colaboração com Alexandre Henriques, autor do blogue ComRegras.

Com a alteração na lei de um diploma de concurso de professores, cuja modificação se estima que ocorra em outubro próximo, segundo o professor Arlindo Ferreira e autor do 'blog' DeAr Lindo, foi realizado nos últimos dias, entre 11 e 23 de setembro, um inquérito a 5.135 professores do ensino público e privado intitulado "A nossa opinião também conta".

A principal conclusão do estudo, segundo os autores avançaram à agência Lusa, é que todos os professores, independentemente de serem contratados, dos quadros de agrupamentos de escolas ou de pertencerem ao quadro da zona pedagógica, consideram que o concurso nacional deve ser "gerido pelo Ministério da Educação", disse Arlindo Ferreira.

Outra conclusão do inquérito é que mais de 80% dos docentes contratados "estão contra a norma-travão", ou seja, os professores que mais ganhariam com aquela medida e que implica que ao fim de cinco contratos seguidos possam entrar nos quadros, são aqueles que discordam mais.

"Os professores contratados, apesar de beneficiarem da norma-travão não concordam com ela, porque cria bastantes injustiças", explica Arlindo Ferreira, referindo tratar-se de uma das "grandes conclusões do estudo".

A norma-travão é uma regra criada em 2014 e que prevê que todos os professores que tenham quatro renovações ou cinco contratações sucessivas no mesmo grupo de recrutamento possam concorrer a um concurso externo para vincular, obtendo uma primeira prioridade. Ou seja, os que estão na primeira prioridade têm uma vaga assegurada, não havendo necessidade de abrir uma vaga para um professor que cumpra um daqueles dois requisitos.

Uma terceira conclusão refere-se às reconduções dos professores e, mais uma vez, a maioria, na ordem dos 65%, não concorda com as "reconduções dos professores", ou seja não concorda com a possibilidade dum professor estar colocado numa escola e poder ser reconduzido para o ano seguinte.

Esta última conclusão regista-se mais ao nível dos professores contratados que se obtiverem um contrato anual e completo e houver necessidade dessa escola reconduzir o docente no ano seguinte, a instituição escolar pode fazê-lo.

"Setenta por cento dos professores prefere que haja um concurso anual e que não haja a possibilidade da recondução direta" da parte das escolas, acrescenta Arlindo Ferreira.

Nos três tipos de candidatos em análise - contratados, quadro de agrupamento e quadro de zona pedagógica -, os professores dos quadros de agrupamentos de escolas preferem um concurso anual (45%), tal como os professores contratados (68%). Já a maioria dos professores de quadros de zonas pedagógicas inquiridos acham, por seu turno, que o concurso deve ser de "dois em dois anos".

Os professores consideram que a avaliação de desempenho não deve influenciar a graduação profissional, assim como querem um concurso onde possam mudar as suas preferências em momentos específicos.

À amostra de mais de cinco mil docentes, responderam 60% de professores contratados, 27% de professores de quadro de agrupamento e 13% de professores de quadro de zona pedagógica.

A maioria dos professores que responderam ao inquérito são da área de residência do Porto (20,3%), de Lisboa (12,25), Braga (11,0%), Aveiro (7,9%), Viseu (6,5%) e Coimbra (6,2%).

Lusa

  • "Tempestade de fogo" ameaça habitações em Aldeia Galega
    2:41
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "Se alguém tem conhecimento de mais vítimas deve comunicar de imediato à PJ e ao MP"
    0:48
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34