sicnot

Perfil

País

Marcelo quer continuidade da "revolução silenciosa" que apostou nos jovens

O Presidente da República apelou esta terça-feira à continuidade da "revolução silenciosa" iniciada num passado recente, com a aposta num país jovem, com novas empresas e projetos de pesquisa e investigação.

"Este país merece a revolução silenciosa iniciada num passado recente, merece, não nos podemos resignar à ideia de um país envelhecido, temos de apostar num país jovem, num país de futuro", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, numa intervenção na cerimónia que marcou o arranque da construção do novo campus da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, que será construído em Carcavelos, no concelho de Cascais.

Uma "revolução silenciosa" que está a acontecer entre os jovens, com novas empresas - as chamadas 'startup' - com projetos empresariais de pesquisa e investigação que saem das universidades ou estão ligadas a outros centros de saber e que "se têm multiplicado nos últimos quatro, cinco anos em Portugal e que se vão multiplicar no futuro", acrescentou depois aos jornalistas no final da cerimónia.

"Houve a capacidade de ver isso e arrancar com o processo, agora é preciso que não pare porque os Presidentes mudam, os Governos mudam, mas o país fica", vincou o chefe de Estado, ainda durante a breve intervenção que fez na cerimónia que marcou o arranque da construção do novo campus universitário.

No discurso, o Presidente da República recuperou as ideias que tinha defendido na segunda-feira a propósito da necessidade de previsibilidade, insistindo que em todos os planos a postura do Estado deve ser a mesma.

"Nada pior do que cada vez que chega um Governo, mudar de supetão a política vigente, quando a durabilidade e a previsibilidade são fundamentais para todos os intervenientes do sistema, isso aplica-se em geral ao país e aplica-se a este processo", defendeu, recordando que o arranque do projeto de construção do novo campus universitário aconteceu quando o anterior Governo PSD/CDS-PP estava em funções, tal como a iniciativa "Web Summit", que irá decorrer em novembro.

"E não dissocio o arranque de hoje dessa revolução silenciosa presente nas 'startup', nas micro empresas, em muitas pequenas e médias empresas, ligadas a universidades, ligadas a centros de investigação que são outro país que está a mover-se, um outro país, porventura mais jovem e mais virado para o futuro, mas que só tem condições para se afirmar se não houver alterações de orientação política sensível quando os titulares dos órgãos do poder político mudam. Essa é uma lição boa para o país", vincou.

Na sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa deixou ainda palavras elogiosas para o presidente da câmara municipal de Cascais, que considerou ser "um grande presidente de câmara".

"Um Presidente da República por definição não formula juízos de valor sobre os autarcas, por maioria de razão a um ano das autárquicas, mas formula juízos de facto e é um facto que o presidente da câmara municipal de Cascais é um grande presidente de câmara, não é uma questão que seja controversa, não é do domínio do juízo de valor, é em quantidade e qualidade de obra feita, do domínio do juízo de facto", disse, sublinhando a visão de futuro de Carlos Carreiras.

Um presidente de câmara que, continuou, neste processo da construção do novo campus universitário ultrapassou as dificuldades e burocracias todas.

"E aquelas que restem naturalmente ultrapassará serenamente (...), as que tiverem a ver com a administração central e com os planos vigentes, as que tiverem a ver com a Aliança Atlântica e a proximidade da Nato, as que tiverem a ver com as decisões judiciais, tudo isso resolverá a contento", acrescentou, numa referência ao processo de expropriação dos terrenos onde será construído o campus universitário, que está em tribunal.

Lusa

  • A Educação "não é arena de luta"
    2:20

    País

    O Presidente da República defende que a Educação deve ser um ponto de encontro e não uma arena de luta. Marcelo Rebelo de Sousa participou esta manhã na sessão solene de abertura do ano letivo, onde defendeu que sendo difícil um pacto de regime sobre as políticas educativas, deve haver o mínimo de estabilidade e diálogo institucional.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.