sicnot

Perfil

País

Reservas de alojamento na Airbnb em Portugal aumentaram 76% no verão

reuters

Cerca de 705 mil visitantes reservaram alojamento (quartos ou casas) em Portugal nos meses de verão através da plataforma 'online' Airbnb, o que representou um crescimento de 76% face ao mesmo período de 2015, divulgou hoje a empresa.

Segundo dados da Airbnb enviados à agência Lusa, referentes aos meses de junho, julho e agosto, 657 mil destes hóspedes eram estrangeiros, oriundos de países como França (164.300), Espanha (70.000), Reino Unido (52.400), Alemanha (46.300) e Estados Unidos da América (35.500).

Estes visitantes ficaram, em média, 4,6 noites no país, acrescenta a plataforma, salientando que este valor se situa "acima da média europeia, de 4,3".

De acordo com a empresa, o destino com mais reservas no país foi Lisboa, que se tornou na "quarta cidade europeia mais requisitada", atrás de Barcelona, Paris e Londres.

Para isso, contribuíram as estadias dos turistas vindos de França (91.177), Espanha (28.000), Alemanha (24.400), Holanda (15.300) e Itália (12.300).

Do total de visitantes no país neste período - 705 mil -, apenas 48.200 eram portugueses, que optaram em grande parte por Lisboa (8.800), Lagos (5.500), Faro (5.000), Porto (4.600) e Tavira (3.600).

"O turismo doméstico duplicou face ao mesmo período do ano passado", frisa a Airbnb.

Além destes, perto de outros 50 mil portugueses reservaram alojamento através da plataforma no estrangeiro, em países como Espanha (14.255), Itália (6.800), França (6.200), Reino Unido (3.000) e Croácia (2.900).

"No total - viajantes portugueses domésticos e que viajaram para o estrangeiro -, cerca de 100.000 portugueses utilizaram a Airbnb para viajar no verão de 2016, quase o dobro do ano anterior", observa a empresa sediada na Califórnia, Estados Unidos.

Em toda a Europa, entre 01 de junho e 31 de agosto, mais de 16 milhões de pessoas usaram a Airbnb para reservar alojamento, o que significou um acréscimo "superior a 70% face ao mesmo período do ano anterior".

"Os dados deste verão mostram também que cada vez mais cidadãos europeus decidem viajar dentro do seu próprio continente", já que, do total, 12,5 milhões eram hóspedes deste continente, adianta a empresa na informação hoje divulgada.

Também aqui se registou um aumento face ao ano passado, na ordem dos 83%.

O país com mais reservas foi França (3,6 milhões), seguido de Itália (2,4 milhões), Espanha (2,2 milhões), Reino Unido (1,6 milhões) e Portugal.

"Até ao momento, mais de 100 milhões de pessoas alojaram-se em diferentes lugares do mundo em casas de anfitriões que anunciam na Airbnb", refere a empresa, concluindo que, no ano passado, "os anfitriões portugueses deram as boas-vindas a quase um milhão de hóspedes de todo o mundo".

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC