sicnot

Perfil

País

Mais de 9.500 colocados na 2.ª fase de acesso ao Ensino Superior

A 2.ª fase de concurso nacional de acesso ao ensino superior colocou 9.577 estudantes nas universidades e politécnicos públicos, 1.869 dos quais já tinham conseguido vaga na 1.ª fase, segundo dados divulgados hoje pela Direção-Geral de Ensino Superior (DGES).

"No conjunto da primeira e segunda fases já ingressaram no ensino superior público, através do concurso nacional de acesso, 45 830 novos estudantes (+1,9% que em 2015)", refere uma nota do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

Do total de colocações nesta fase, há 7.708 novos alunos. Numa comparação com o ano anterior, em 2016 a 2.ª fase do concurso nacional de acesso registou mais 6,4% de candidatos (dos 18.250 para 19.413) e mais 1,8% de colocados (de 9.410 para 9.577).

Considerando a 1.ª e a 2.ª fases, o concurso deste ano registou mais 3,7% de candidatos, e mais 1,9% de alunos colocados, que são já 45.830.

"Na 1.ª fase do concurso nacional de acesso já tinham sido colocados 42 958 estudantes dos quais se matricularam 38 122 (88,7%)", especifica a nota do MCTES.

Os resultados da 2.ª fase estão disponíveis a partir de hoje no portal da DGES (http://www.dges.mctes.pt).

Os estudantes colocados nesta fase devem matricular-se entre 29 de setembro e 03 de outubro.

A 3.ª fase do concurso, a última e que coloca um número residual de estudantes, decorre entre 06 e 10 de outubro, com as candidaturas online no portal da DGES.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11