sicnot

Perfil

País

Filhos são autores de quase 40% dos crimes contra idosos

© Reuters

Os filhos foram os autores de quase 40% dos crimes de violência doméstica praticados contra mais de 2.600 idosos acompanhados pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) entre 2013 e 2015, situação que tem vindo a aumentar.

Enquanto no período 2013-2014 o autor do crime, na sua maioria, era o cônjuge, atualmente assiste-se a "um aumento das situações em que a vítima é pai ou mãe", disse esta quinta-feira a coordenadora executiva do Centro de Formação APAV, Maria de Oliveira.

A APAV registou, entre 2013 e 2015, 3.214 processos de apoio a idosos, em que 2.603 foram vítimas de crime e de violência, segundo dados da associação divulgados a propósito do Dia Internacional das Pessoas Idosas (1 de outubro).

Estes valores traduziram-se em 6.264 factos criminosos:

  • 5.072 (81%) foram crimes de violência doméstica,
  • 860 (13,7%) foram crimes contra as pessoas ,
  • 288 (4,6%) contra o património.

Entre os crimes de violência doméstica, destacam-se:

  • 1.924 (30,7%) casos de maus-tratos psíquicos,
  • 1.244 (19,9%) casos de maus-tratos físicos.

Houve ainda 846 idosos que foram vítimas de ameaça/coação (13,5%) e 520 de injúrias e difamação (8,3%).

A maior parte dos crimes foram cometidos dentro da família:

  • (37,9%) por filhos,
  • (28,2%) pelo cônjuge,
  • (4,7%) por vizinhos,
  • (4,4%) pelos netos.

Analisando estes dados, Maria de Oliveira disse que "ainda não espelham a realidade que acontece no país", mas confirmam uma realidade que a APAV já suspeitava e para a qual tem vindo a alertar de que "existem relações familiares que exercem relações de poder e decisão das coisas da vida mais básicas" do idoso.

"Estamos a falar de filhos que exercem violência contra os pais", frisou a técnica, afirmando que "ainda há muito desconhecimento e alguma permissividade para continuarem a exercer estas situações".

Os dados demonstram também um aumento no número de processos de apoio:

  • 941 em 2013,
  • 1.068 em 2014,
  • 1.205 em 2015.

Segundo a técnica, o aumento deve-se ao facto de haver "uma maior consciência da população" para "determinados comportamentos" exercidos contra as pessoas idosas que constituem um crime".

Traçando o perfil destes idosos:

  • Mais de (50%) tinham idades entre 65 e 74 anos,
  • (36,3%) entre 75 e 84 anos
  • (12,5%) eram maiores de 85.
  • (44,1%) eram casados,
  • (32,8%) pertenciam a um tipo de família nuclear com filhos.

O número de autores de crime contabilizados entre 2013 e 2015 ultrapassou o número de vítimas (2.603), ascendendo aos 2.730.

Em mais de 65% das situações, o agressor era homem, com idades entre os 65 e os 74 anos. Foram ainda identificados sete agressores com idades entre os 11 e os 17 anos e 52 com idades entre os 18 e os 24 anos.

Os dados adiantam que 20,5% dos autores dos crimes estavam reformados, 19,3% desempregados e 13,5% empregados.

Tendo em conta o tipo de problemáticas existentes, prevalece o tipo de vitimação continuada em cerca de 78% das situações, com uma duração média entre os dois e os seis anos (12,4%).

A residência comum é o local mais escolhido para a "ocorrência dos crimes", em 56,8% das situações, seguindo-se a casa da vítima (27,5%) e a via pública (6,1%).

As queixas/denúncias ficam-se nos 30,7% face ao total de autores de crimes assinalados.

Maria de Oliveira explicou que, "havendo uma relação familiar, é muito difícil as pessoas denunciarem" a situação, porque "têm sentimentos de vergonha e de culpa".

"Se for uma relação de pai ou mãe sentem que falharam enquanto educadores", rematou.

Com Lusa

  • Atentado "falhado" em Nova Iorque
    1:43

    Mundo

    Uma explosão numa das zonas mais movimentadas de Manhattan fez quatro feridos, esta segunda-feira. Entre eles está o homem que transportava o engenho e que foi entretanto detido.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.

  • 10 Minutos com Leonor Beleza
    10:27

    10 Minutos

    A nossa convidada desta segunda-feira ainda é conhecida por ter sido ministra da Saúde e pelo seu trabalho à frente da Fundação Champalimaud. Mas desta vez vamos falar com Leonor Beleza sobre os 40 anos da revisão do Código Civil, em que esteve envolvida.

    Entrevista completa