sicnot

Perfil

País

Já viu como vai ficar o Vale de Alcântara em Lisboa?

© Câmara Municipal de Lisboa

O corredor verde estruturante do vale de Alcântara, em Lisboa, que se prevê estar pronto dentro de um ano, irá permitir concluir a ligação pedonal de Monsanto ao Tejo, anunciou o vereador da Estrutura Verde.

A intervenção abrangerá 13 hectares, ao longo de três quilómetros, e terá um custo total de "não mais do que quatro milhões de euros", estimou o vereador Sá Fernandes em declarações aos jornalistas, esta quarta-feira, na apresentação do projeto para o corredor verde, que decorreu na Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Alcântara.

"O antes longe torna-se agora mais perto", afirmou o vereador.

Segundo Sá Fernandes, a maior parte dos trabalhos estarão concluídos "daqui a um ano, ano e meio", podendo algumas intervenções estender-se a "20 meses".

A primeira intervenção, que será apreciada pelo executivo municipal a 13 de outubro, está prevista para o parque urbano Quinta da Bela Flor e "irá a concurso por 1,5 milhões de euros", antecipou o vereador.

Ali nascerá um espaço verde, que será alimentado com água reutilizada proveniente da ETAR.

"Estamos a introduzir tubagens para que a reutilização da água seja uma realidade" em toda a cidade, apontou Sá Fernandes, referindo que isso permitirá "uma poupança e uma mostragem de boas práticas ambientais" aos munícipes.

De seguida, as obras estendem-se ao bairro da Liberdade, à criação de um viaduto ciclo-pedonal e ainda à construção de um túnel que permitirá a passagem debaixo da linha férrea.

A intervenção permitirá também a melhoria e o aumento da iluminação existente, a colocação de 700 novas árvores naquela zona da cidade e a criação de uma passagem pedonal por entre os pilares do Aqueduto das Águas Livres, foi anunciado.

"É absolutamente extraordinário passar debaixo do Aqueduto das Águas Livres, que é um dos monumentos mais importantes do mundo", sublinhou José Sá Fernandes.

Já a Avenida de Ceuta poderá contar com uma passagem de água no corredor central e faixas destinadas aos transportes públicos.

Questionado sobre possíveis constrangimentos para os cidadãos devido a estas intervenções, o responsável advogou que "a obra não incomoda ninguém, não há problema com a circulação automóvel, nem se estraga nada, pois os terrenos estão vazios".

Segundo Sá Fernandes, "não tem sido possível usufruir do vale", sendo "quase impossível chegar à estação ferroviária de Campolide a não ser de carro".

"Alcântara quer dizer ponte, mas não tem havido ponte nenhuma entre Campolide e Alcântara, entre o lado do Tejo e Monsanto", criticou, acrescentou que essa ligação também é inexistente para a zona norte da cidade.

Sá Fernandes vincou que "era um desejo de há muitos anos conseguir encontrar uma solução para este vale", acrescentando que o município "está a trabalhar neste projeto, que toda a gente considerava impossível, há dois anos".

"Não queremos um projeto perfeito, mas um perfeito projeto, que fosse fazível e concretizável, não fosse megalómano nem caro", observou.

Para a "próxima primavera", Sá Fernandes apontou a conclusão dos corredores verdes das zonas oriental, ocidental e central da cidade

Com Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.