sicnot

Perfil

País

Mais de 20% das vagas do Ensino Supeior por ocupar na 2.ª fase são de engenharia

As universidades e politécnicos públicos deixaram na 2.ª fase do concurso nacional de acesso 5.166 vagas por preencher, menos 670 do que em 2015, mais de 20% das quais em cursos de engenharia.

Os dados da 2.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público foram hoje divulgados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

Das mais de cinco mil vagas que sobraram, 1.317 são na área de Engenharia e Técnicas Afins. Sobram ainda 536 lugares em cursos na área de Arquitetura e Construção, que abrange os cursos de engenharia civil.

Ciências Empresariais (635); Artes (469); e Agricultura, Silvicultura e Pescas (471) são outras áreas onde ainda sobram centenas de vagas.

As 5.166 vagas que sobraram da 2.ª fase concentram-se em 297 cursos, maioritariamente em politécnicos. Entre as universidades de maior dimensão, a Universidade de Lisboa já preencheu todas as vagas, a do Porto e do Minho têm apenas dois cursos, cada uma delas, com lugares disponíveis, e a Universidade de Coimbra ainda tem vagas para três cursos.

Na 2.ª fase, 43 cursos não tiveram qualquer candidato, maioritariamente em politécnicos, e sobretudo na área de engenharia.

A média mais alta de colocação na 2.ª fase foi em Medicina, no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto, com 19,47 valores, e a colocação resulta de uma vaga não ocupada por um colocado na 1.ª fase.

Das colocações em Medicina na 2.ª fase, apenas as universidades de Lisboa e Minho tinham vagas a concurso na abertura das candidaturas. Nos restantes cursos de Medicina as vagas ocupadas na 2.ª fase dizem respeito a vagas não ocupadas por estudantes colocados na 1.ª fase.

Engenharia Aeroespacial, no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, que na 1.ª fase registou a nota média de entrada mais elevada (18,53 valores), colocou dois estudantes na 2.ª fase, com o segundo colocado a conseguir melhor do que o último colocado na 1.ª fase: 18,98 valores.

Engenharia Física e Tecnológica, na mesma instituição, que na 1.ª fase tinha conquistado a melhor média de entrada, empatado com Engenharia Aeroespacial, também melhorou a nota de entrada face à 1.ª fase, registando uma classificação de 18,73 valores.

21 cursos colocaram estudantes na 2.ª fase com notas de entrada superiores a 18 valores.

Na 2.ª fase, 27 cursos colocaram 366 estudantes com notas de candidatura acima dos 9,5 valores, mas abaixo dos 10 valores.

A 2.ª fase de concurso nacional de acesso ao ensino superior colocou 9.577 estudantes nas universidades e politécnicos públicos, 1.869 dos quais já tinham conseguido vaga na 1.ª fase, segundo dados divulgados hoje pela Direção-Geral de Ensino Superior (DGES).

Os resultados da 2.ª fase estão disponíveis a partir de hoje no portal da DGES (http://www.dges.mctes.pt).

Os estudantes colocados nesta fase devem matricular-se entre 29 de setembro e 03 de outubro.

A 3.ª fase do concurso, a última e que coloca um número residual de estudantes, decorre entre 06 e 10 de outubro, com as candidaturas online no portal da DGES.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.