sicnot

Perfil

País

Esperança de vida à nascença e aos 65 anos aumentou em Portugal

© Reuters

A esperança de vida à nascença e aos 65 anos aumentou em Portugal, situando-se, respetivamente, nos 80,41 anos e nos 19,19 anos, para o total da população, segundo as Tábuas de Mortalidade 2013-2015 divulgadas pelo INE esta sexta-feira.

A esperança de vida mais elevada à nascença foi registada na região centro (80,8 anos para o total da população) e aos 65 anos no Algarve (19,66 anos), revelam os dados do INE que se reportam ao triénio 2013-2015, por comparação com o triénio 2008-2010.

Os valores da esperança de vida à nascença foram estimados em 77,36 anos para os homens e em 83,23 anos para as mulheres, o que representa um ganho de 1,19 para os homens e de 1,04 anos para as mulheres, comparativamente com os valores estimados para 2008-2010.

Segundo os dados, a esperança de vida à nascença continua a ser superior para as mulheres, mas a diferença para os homens tem vindo a diminuir, sendo agora de 5,87 anos (face a 6,02 em 2008-2010).

Analisando os dados pelas 25 regiões NUTS III, o INE verificou que foi no Cávado e na região de Coimbra que se registam as maiores esperanças de vida à nascença, com valores acima dos 81 anos.

As maiores diferenças de longevidade entre homens e mulheres observaram-se nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 7,54 anos e mais 7,27 anos do que os homens.

Já as menores diferenças de longevidade ocorreram nas regiões norte e Alentejo para homens e mulheres (5,72 e 5,65 anos, respetivamente).

A esperança média de vida aos 65 anos aumentou igualmente neste período, sendo, em média, de mais 17,32 anos para os homens de mais 20,67 anos para as mulheres, o que representa ganhos de 0,58 anos e de 0,64 anos, respetivamente, face a 2008-2010.

De acordo com os dados, "a diferença entre a longevidade aos 65 anos de homens e mulheres passou de 3,29 para 3,35 entre os dois períodos em análise".

Comparando as sete regiões NUTS II (norte, centro, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira), o estudo encontrou os valores mais elevados de esperança de vida aos 65 anos no Algarve: 17,66 para os homens e 20,99 para as mulheres.

Contudo, sublinham os dados, foi na Madeira que se observou o maior aumento deste indicador nos últimos cinco anos, quer para homens quer para mulheres: de 13,86 para 15,15 anos e de 18,05 para 19,17 anos, respetivamente.

As maiores diferenças de longevidade aos 65 anos entre homens e mulheres registaram-se na Madeira e nos Açores, onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 4,02 anos e mais 3,65 anos do que os homens.

Na região Norte verificaram-se as menores diferenças entre os dois sexos (3,16 anos), para a longevidade aos 65 anos.

A nível de sub-regiões NUTS III, a população residente na Região de Coimbra (19,89 anos), em Viseu Dão Lafões (19,88 anos) e Terras de Trás-os-Montes (19,82 anos) foi a que apresentou a maior longevidade aos 65 anos.

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.