sicnot

Perfil

País

Mais de 160 mil hectares arderam na fase mais crítica de fogos florestais

A época mais crítica em incêndios florestais termina hoje, tendo os fogos consumido uma área superior a 160 mil hectares, mais do dobro dos últimos oito anos, segundo o Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais.

Durante a fase "charlie", que começou a 1 de julho, estiveram mobilizados um total de 9.708 operacionais, 2.235 equipas, 2.043 viaturas e 47 meios aéreos, além dos 236 postos de vigia da responsabilidade da GNR, segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF).

Num verão, em que a severidade meteorológica registou o quinto valor mais alto dos últimos 17 anos, os incêndios florestais consumiram uma vasta área, sobretudo no início de agosto e setembro.

Dados do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais indicam que os fogos provocaram, este ano, uma área ardida superior a 160 mil hectares, mais do dobro da média dos últimos oito anos (2008-2015).

Em Portugal, as últimas estatísticas disponíveis do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) são referentes a 31 de agosto e mostram que a área ardida este ano quase que duplicou em relação a 2015.

Em contrapartida, o número de ocorrências de fogo registadas, entre 01 de janeiro e 31 de agosto, desceu quase 25 por cento face ao mesmo período de 2015.

Segundo o ICNF, 10.334 ocorrências de fogo registaram-se até 31 de agosto, menos 2.760 do que no mesmo período de 2015, quando já tinham ocorrido 13.094 incêndios.

Os 10.334 fogos provocaram, até ao fim de agosto, 107.128 hectares de aérea ardida, enquanto no ano passado este valor se situava nos 58.601 hectares.

As últimas informações avançadas pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) destacavam que 45 por cento (47.954 hectares) do total da área ardida ocorreu em incêndios com início a 08 de agosto.

Só no período de 06 a 15 de agosto, dias em que esteve em vigor o Estado de Alerta Especial (EAE) laranja, devido à extrema severidade meteorológica, a ANPC registou 3.139 incêndios, que envolveram 74.006 operacionais, 20.010 viaturas, 1.215 missões com meios aéreos.

Portugal recebeu também ajuda internacional durante este período, de dois aviões de Marrocos, Espanha, Rússia e um de Itália.

Estes dados não incluem os incêndios que também ocorreram, na segunda semana de agosto, na Madeira, que provocaram três mortos, um ferido grave e centenas de deslocados e desalojados, sobretudo no concelho do Funchal, onde a autarquia avalia os prejuízos em 61 milhões de euros, com cerca de 300 edifícios destruídos ou afetados.

No sábado começa a fase "delta" de combate a incêndios, que se prolonga até 30 de outubro, em que vão estar operacionais 5.517 operacionais, 1.293 viaturas e 22 meios aéreos.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, já avançou com um reforçou de meios caso exista necessidade.

Na terça-feira, o Governo anunciou que foi prorrogado até 15 de outubro o período crítico do Sistema de Defesa da Floresta contra incêndio.

Este prolongamento diz respeito às medidas especiais de prevenção contra incêndios, nomeadamente a interdição do acesso a zonas críticas, impossibilidade de realização de queimadas, proibição da realização de fogueiras, queima de sobrantes das explorações agrícolas e lançamento de quaisquer tipo de foguetes.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.