sicnot

Perfil

País

Mais de 4.500 queixas aos transportes públicos em 6 meses

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

(Arquivo SIC)

Os transportes públicos portugueses recebera mais de 4.500 queixas no primeiro semestre do ano, tendo sido o setor rodoviário o que recebeu o maior número de reclamações, revelou esta sexta-feira a Autoridade da Mobilidade e do Transporte (AMT).

Em média, foram registadas 25 reclamações por dia, indica a AMT, ressalvando que estas queixas apenas dizem respeito às que foram apresentadas diretamente àquela autoridade e às que foram registadas no livro de reclamações dos prestadores de serviços.

De acordo com a AMT, das 4.500 queixas:

  • (2.273) foram dirigidas ao setor rodoviário,
  • (1.870) ao setor ferroviário e
  • (293) ao setor fluvial e três ao setor portuário.

No setor rodoviário, a maior parte das reclamações (1.458) dirigem-se ao transporte de passageiros:

  • (448) Transportes Sul do Tejo,
  • (257) Carris,
  • (109) Rede Expressos,
  • (84) Transdev.
  • (61) Vimeca,
  • (58) Scotturb,
  • (49) Sociedade de Transportes Coletivos do Porto,
  • (40) Barraqueiro,
  • (34) Eva Transportes e
  • (33) União de Transportes dos Carvalhos.

Quanto aos motivos, a maior parte das queixas prende-se com o "incumprimento", a "não afixação de horários" e com o "cancelamento do serviço sem aviso prévio".

O setor ferroviário foi o segundo a receber mais reclamações, com 1.870 (41% do total):

  • (1.017) metropolitano,
  • (848) comboios de passageiros e
  • (5) para as "infraestruturas".

O Metro de Lisboa lidera o número de queixas (878), seguido do Metro Transportes do Sul (84) e do Metro do Porto (55), estando a maioria das reclamações relacionadas com o facto de os "elevadores, rampas, escadas e tapetes rolantes estarem fora de serviço".

Quanto ao comboio, a CP teve a maior parte das queixas (655) e a Fertagus 193, estando o "reembolso do valor do título" e o "incumprimento ou não afixação do horário de transporte" na base da maioria das reclamações.

No setor fluvial registaram-se 293 reclamações (6% do total), todas elas relacionadas com o transporte de passageiros, distribuídas pela Transtejo (206) e pela Soflusa (87).

A principal razão apontada foi a "não emissão de fatura ou recibo, com número de contribuinte, no ato da venda do título de transporte", que correspondeu a 20% das queixas do setor.

Quanto ao setor portuário, registaram-se apenas três reclamações, relacionadas com a "inexistência ou falta de condições das instalações sanitárias" e a "não resolução de problemas identificados pelos clientes".

Todas estas reclamações dizem respeito à APS, Administração dos Portos de Sines e do Algarve.

Com Lusa

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28