sicnot

Perfil

País

Marcelo veta decreto do fim do sigilo bancário

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Uma "inoportunidade política". O Presidente da República devolveu ao Governo, sem promulgação, o decreto-lei que permitia o acesso do fisco a informação bancária.

Última atualização às 15:38

A decisão foi anunciada no site da Presidência da República e "baseia-se, antes do mais, na sua patente inoportunidade política", afirma Marcelo Rebelo de Sousa:

Vivemos num tempo em que dois problemas cruciais, entre si ligados, dominam a situação financeira e económica nacional.

O primeiro é o de que se encontra ainda em curso uma muito sensível consolidação do nosso sistema bancário. O segundo, com ele intimamente associado, é o da confiança dos portugueses, depositantes, aforradores e investidores, essencial para o difícil arranque do investimento, sem o qual não haverá nem crescimento e emprego, nem sustentação para a estabilização financeira duradoura.

Em causa está um decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros a 8 de setembro, que obriga os bancos a informar a Autoridade Tributária sobre as contas bancárias de residentes em território nacional com saldo superior a 50 mil euros.

Marcelo Rebelo de Sousa não põe em causa a transposição da diretiva europeia ou do acordo com os EUA, relativas às contas de estrangeiros, mas coloca dúvidas quanto à aplicação do mesmo regime para portugueses.

O chefe de Estado refere que o alargamento daquelas regras aos residentes em território nacional "não era imposto por nenhum compromisso externo" e que já existem situações em que o Fisco "pode aceder a informação coberta pelo sigilo bancário, sem dependência de autorização judicial, nomeadamente quando existam indícios de prática de crime".

Por outro lado, cita o parecer da Comissão Nacional de Proteção de Dados que questiona "a conformidade do novo regime, em especial com o princípio constitucional da proporcionalidade".

O Presidente da República considera ainda que esta alteração legislativa estabelece "uma como que presunção de culpabilidade de infração fiscal", mesmo não havendo suspeita ou indício, e deveria ter sido precedida de um "indispensável e aprofundado debate público".

O decreto-lei hoje vetado foi aprovado em Conselho de Ministros a 8 de setembro, mas o seu articulado não foi divulgado, e deu entrada em Belém na sexta-feira passada, dia 23.

Com Lusa

  • "Marcelo carrega toda a tinta no argumento da inoportunidade política"
    6:39

    Opinião

    O veto do Presidente ao decreto do fim do sigilo bancário não foi uma surpresa, mas Ricardo Costa destaca o peso dado às razões políticas da decisão, apesar das dúvidas jurídicas. O diretor de Informação da SIC antecipa também o que o Governo pode agora fazer e não vê razão para que as relações institucionais se deteriorem com este veto.

  • PSD satisfeito com veto ao decreto do sigilo bancário
    0:44

    País

    O PSD aplaude a decisão do Presidente da República de vetar o decreto-lei relativo ao acesso da Autoridade Tributária a informação bancária. O deputado António Leitão Amaro diz que "o governo das esquerdas" tem estado a lançar suspeitas sobre quem poupa.

  • Sim ou não ao fim do sigilo bancário?
    1:59

    Economia

    O fim do sigilo bancário para os contribuintes com mais de 50 mil euros está a causar polémica. Há quem diga que pode levar a uma retirada de dinheiro dos bancos, mas os trabalhadores dos impostos defendem que a medida é indispensável para o combate à fraude.

  • "Isto parece uma medida do Governo venezuelano de Maduro"
    3:06

    Opinião

    O Governo poderá deixar cair a medida do fim do sigilo bancário caso o Presidente da República decida vetar o diploma. Miguel Sousa Tavares diz que deseja que "Marcelo vete o diploma" porque "isto parece uma medida do Governo venezuelano de Maduro". O comentador diz ainda que o "Estado só pode atuar sobre suspeitas concretas, não pode partir do princípio de que todos podem ser devassados".

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC