sicnot

Perfil

País

Portugal ratifica Acordo de Paris contra alterações climáticas

Portugal ratifica Acordo de Paris contra alterações climáticas

Portugal ratificou hoje o Acordo de Paris contra as alterações climáticas, depois da aprovação na Assembleia da República, com a abstenção do PCP, tornando-se o quinto país da União Europeia a aderir a este documento internacional.

O Acordo de Paris, conseguido em dezembro ao reunir 196 países, pretende reduzir as emissões de gases com efeito de estufa responsáveis pelas alterações do clima, que podem provocar fenómenos extremos, como ondas de calor ou picos de chuva.

No debate realizado antes da ratificação do Acordo de Paris todos os partidos concordaram com a importância deste documento, embora considerem insuficiente para obter os resultados pretendidos, ou seja, travar a subida da temperatura do planeta.

O ministro do Ambiente considerou que este "é o principal desafio que o planeta enfrenta" e afirmou ter saído do debate com a "convicção que que há consenso em Portugal", ao mesmo tempo que agradeceu a celeridade da Assembleia da República no agendamento deste debate e aprovação da ratificação.

"Devemos debater as coisas em conjunto como uma nação unida", realçou João Matos Fernandes acerca deste tema.

Um dos principais críticos à atuação do Governo relacionada com as alterações climáticas foi o social democrata Jorge Moreira da Silva, anterior ministro do Ambiente, ao referir que "já não bastavam as reversões na área do arrendamento urbano e das águas e também no clima e energia", mas "esse radicalismo e revanchismo está registado de forma muito impressiva" em outros setores, como o "abandono a que foi votado o Compromisso para o Crescimento Verde".

"Nesta área mantêm-se a mecânica da geringonça: o Bloco manda, o PCP cala e o PS obedece", afirmou Jorge Moreira da Silva.

Em resposta, o ministro realçou que "muitas coisas ficaram por fazer e outras foram feitas erradamente" e o Crescimento Verde "é que era conversa, iniciativa generosa", mas com um número de objetivos ingerível na administração pública.

Heloísa Apolónia, do Partido Ecologista Os Verdes, recordou que uma resposta efetiva de transportes coletivos "é fundamental" para conseguir as metas do Acordo de Paris, assim como outras alterações, e apontou o licenciamento de prospeções para petróleo na costa portuguesa como sendo contraditório com o abandono da exploração de combustíveis fósseis, temas também referidos por outros partidos da oposição.

"Fazer um acordo e ligarmo-nos com um conjunto de incongruências por trás não faz sentido", frisou a deputada do PEV, mas "Portugal "deve dar o seu contributo a nível da UE" e importa que faças parte do pelotão da frente na ratificação", defendeu ainda Heloísa Apolónia, embora ressalvando que se trata de "um acordo muito frágil".

No mesmo sentido foi a intervenção de Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, enquanto André Silva, do PAN, disse sobre o acordo de Paris: "Tememos que não passe de um mero ato burocrático".

O ministo do Ambiente reconheceu que os transportes são dos setores que mais o preocupam, mas salientou que a agricultura também tem de ser alvo de mudanças, e espera que possa ser definida uma nova Política Agrícola Comum (PAC) "em prol das preocupações ambientais".

Para entrar em vigor o acordo necessita da ratificação de, pelo menos, 55 países responsáveis por 55% das emissões de gases com efeito de estufa e atualmente, 61 países que representam 48% das emissões já o fizeram, incluindo os dois maiores emissores - a China (20% do total) e os EUA (18%), estando ainda prevista a ratificação pela Índia (4,1%) a 2 de outubro.

Portugal representa cerca de 0,12% das emissões mundiais, com 65 milhões de toneladas por ano, mas está integrado na UE, responsável por cerca de 12% das emissões totais.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.