sicnot

Perfil

País

Jardim Botânico de Lisboa encerra para obras e só reabre dentro de seis meses

O Jardim Botânico de Lisboa, com entrada na Rua da Escola Politécnica, encerra esta segunda-feira ao público para obras de requalificação e deverá reabrir dentro de seis meses, anunciou o Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MNHNC).

"O Jardim Botânico fecha hoje ao público e o período de obra tem a duração prevista de seis meses. A intervenção prevê melhorias ao nível de quatro grandes áreas: nos sistemas de rega e de circulação de água, no sistema de recolha de águas pluviais, na instalação de cablagens para iluminação e internet e no arranjo dos caminhos e instalação de torniquetes", refere o MNHNC num comunicado hoje divulgado.

A requalificação do Jardim Botânico de Lisboa foi um dos projetos vencedores do Orçamento Participativo (OP) de Lisboa 2013, na categoria até 500 mil euros, tendo sido a proposta mais votada, com 7.500 dos cerca de 35.900 votos recebidos na edição desse ano.

Com as obras de requalificação, "será ainda melhorado o espaço para a futura esplanada, na entrada do Jardim e criado um pequeno anfiteatro ao ar livre, para a programação de eventos culturais".

Além disso, "o portão que dá acesso à Rua da Alegria permitirá a saída dos visitantes e a instalação de equipamento básico, como bebedouros e papeleiras, está também contemplada nesta primeira fase do projeto".

Numa outra fase de requalificação, "que passará pela captação de outras fontes de financiamento, incluir-se-á a criação e melhoria de infraestruturas de apoio ao visitante, nomeadamente, áreas de acolhimento para grupos, zonas de apoio e de lazer, como a esplanada e a sinalética".

O Jardim Botânico de Lisboa faz parte do Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.