sicnot

Perfil

País

Relação suspende pena a Manuel Godinho convicta que não voltará a cometer crimes

O Tribunal da Relação do Porto (TRP) suspendeu a execução da pena de dois anos e meio de prisão aplicada pelo Tribunal de Aveiro ao sucateiro Manuel Godinho, por ter subornado um ex-funcionário da antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer).

O acórdão, a que a Lusa teve acesso esta segunda-feira, refere que "é de crer que a simples censura do facto e a ameaça da prisão sejam bastantes para afastar o arguido de comportamentos ilícitos no futuro".

Embora não seja primário, os juízes desembargadores lembram que o arguido "não cometeu crimes semelhantes ao que está aqui em causa" e realçam que o mesmo está socialmente e familiarmente integrado.

"Se é certo que as razões de prevenção geral são elevadas, as mesmas não impõem que, perante um crime de corrupção cometido pela primeira vez, não seja possível suspender a execução da pena de prisão, condicionada à reparação do prejuízo causado à ofendida Refer", lê-se no acórdão, datado de 28 de setembro.

Em declarações à agência Lusa, o advogado Artur Marques, disse que o êxito deste recurso foi a suspensão da pena.

"Não me satisfaz completamente. Acho que há aqui questões que ficaram pelo caminho", disse o causídico, admitindo que ainda pode recorrer desta decisão para o Tribunal Constitucional.

Manuel Godinho tinha sido condenado na primeira instância, em novembro do ano passado, a dois anos e meio de prisão efetiva, por um crime de corrupção ativa.

No mesmo processo, o ex-funcionário da Refer foi condenado a três anos e meio de prisão, por corrupção passiva e falsificação de documento.

Na altura, o tribunal decidiu não suspender ambas as penas, devido à "elevada gravidade dos factos e à postura adotada por ambos os arguidos durante o julgamento".

Os dois arguidos recorreram para o TRP, que decidiu manter as penas, mas suspendeu-as, com a condição de Manuel Godinho e o outro arguido pagarem à Refer quase 39 mil euros, cada um.

O ex-funcionário da Refer, atualmente designada por Infraestruturas de Portugal, terá ainda de devolver ao Estado os 128 mil euros recebidos pelo sucateiro.

O empresário de Ovar aguarda em liberdade o desfecho de outros dois recursos, um relacionado com o processo "Face Oculta", em que foi condenado a 17 anos e meio de cadeia, e outro com uma pena de dois anos de prisão a que foi condenado por subornar um vigilante da natureza.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.