sicnot

Perfil

País

Bastonário diz que há vários casos de suicídio de médicos veterinários em Portugal

Bastonário diz que há vários casos de suicídio de médicos veterinários em Portugal

O bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários revela que há vários casos de suicídio na profissão. O responsável recorda algumas pressões a que estes profissionais estão sujeitos.

"É uma profissão extremamente stressante", disse o bastonário, recordando algumas das pressões a que estes profissionais estão sujeitos: "Quem faz inspeção pode sofrer pressões ao nível de alguns agentes económicos" e quem faz clínica, nomeadamente de animais de companhia, "lida muitas vezes com a morte, com um grande desgosto das pessoas".

"As pessoas colocam em nós uma carga grande, a qual às vezes temos dificuldade em ultrapassar", acrescentou.

Segundo Jorge Cid, os veterinários são muitas vezes psicólogos. "As pessoas desabafam connosco. Há casos extremos, em que sabemos que aquele animal é a única companhia da pessoa -- e há imensos casos -- e desenvolve-se ali uma grande carga psicológica" quando o animal sofre uma doença crónica que o vai provavelmente matar.

O bastonário explicou que estes profissionais são muitas vezes chamados a resolver situações, para as quais não têm meios.

"Tudo isto causa alguma depressão e que pode eventualmente, dado o alto stresse, levar a pessoa a suicidar-se", afirmou.

Outra situação causadora de stress é o conhecimento de casos de maus tratos, que não poucas vezes acabam nos consultórios.

"Há uma panóplia de situações que são extremamente difíceis e a pessoa tem que ter uma grande estrutura física e moral para as aguentar", disse, concluindo que este é ainda "um trabalho mal remunerado".

"Se soubessem a realidade, os ordenados e a precariedade, muitas pessoas não entrariam na profissão", concluiu.

Um estudo elaborado por David Bartram, do Grupo de Saúde Mental da Universidade de Southampton School of Medicine (Inglaterra), concluiu que os médicos veterinários têm uma taxa de suicídio quatro vezes superior à população geral e duas vezes superior a outras profissões.

Em Portugal, o veterinário e especialista europeu do comportamento animal Gonçalo Pereira coordenou um estudo, envolvendo cerca de um quarto dos profissionais, sobre a ansiedade, stresse, depressão desgaste profissional e satisfação com a vida que confirma estes valores "preocupantes".

"Somos uma classe que não está sequer preparada para identificar os sinais de depressão e de desgaste profissional", disse.

Segundo Gonçalo Pereira, ao nível dos veterinários de animais de companhia, são os especialistas em oncologia e comportamento animal os que têm menos satisfação com a vida, "talvez por serem as áreas mais frustrantes devido ao final de muitos dos casos".

"Os níveis de ansiedade, de stresse e de pressão da classe estão muito elevados", adiantou.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.