sicnot

Perfil

País

Provedor de Justiça quer menos barreiras na prisão de Monsanto

O provedor de Justiça defendeu esta terça-feira que os reclusos da cadeia de Monsanto, Lisboa, considerada de especial segurança, tenham direito à visita dos filhos sem estarem separados pela barreira de vidro, criticando as atuais condições.

No relatório da visita ao Estabelecimento Prisional de Monsanto, incluído no projeto "O Provedor de Justiça, as prisões e o século XXI: diário de algumas visitas", realizada em finais de junho, José de Faria Costa faz um relato do que viu e das condições que encontrou, ouvindo igualmente guardas prisionais e alguns reclusos.

Do que viu, o provedor de Justiça saiu com a convicção de que "a privação da liberdade (...) não pode ter, sem mais, como corolário a restrição de outros direitos fundamentais".

"Não percebo, pois, que, conquanto que as pessoas se encontrem a cumprir pena de prisão em regime de segurança, não possam tocar nos filhos. Não entendo a barreira que, embora de vidro, se interpõe, de modo sistemático, entre um pai recluso e um filho pequeno", argumentou José de Faria Costa.

No entender do provedor, o motivo pelo qual o recluso está preso não põe em causa as suas responsabilidades parentais, sublinhando que "um recluso pode ser um excelente pai".

Uma situação que surpreende ainda mais o responsável quando o atual sistema penal prevê e possibilita que as pessoas detidas tenham direito a visitas íntimas.

"Será o contacto com o(a) companheiro(a) - companheiro(a) por vezes de uma vida, mas em outras vezes, não tão raras assim, de apenas alguns meses - mais importante do que a manutenção do relacionamento com o seu descendente", questionou o provedor.

Apontou, por outro lado, que apesar de os filhos poderem visitar os pais nos estabelecimentos prisionais, mesmo quando esta é de especial segurança, "ver e falar não é suficiente para a relação filial".

"Relacionar implica, entre outras ações, o toque. Envolve afetos. Em suma, é tão-só - e é já tanto - ser pai. E umas grades ou um vidro não o podem impedir", sustentou.

Da visita ao Estabelecimento Prisional de Monsanto, o provedor de Justiça reteve também a existência de barras horizontais nos gradeamentos das janelas e das portas das celas, algo sobre o qual já alertou noutras visitas, repetindo que se trata de um "perigo".

"Não posso deixar de me preocupar com as estruturas que podem, se essa for a vontade do recluso, auxilia-lo a por termo à vida ou, pelo menos, a tentá-lo", apontou.

Por outro lado, criticou a falta de regulamentos e literatura em línguas estrangeiras, além da inglesa, criticando que haja reclusos que não compreendem os seus direitos e referindo que os reclusos estrangeiros que estão na prisão de Monsanto são oriundos, maioritariamente, de Espanha, América Latina e Europa de Leste.

No que diz respeito às condições de trabalho dos guardas prisionais, José de Faria Costa salientou que não são realizadas frequentemente ações de formação profissional que melhor capacitem aqueles profissionais a gerir situações de conflito.

Além disso, ouviu também queixas quanto ao facto de estarem impossibilitados de progredirem na carreira e por causa dos constrangimentos orçamentais que tiveram impacto nas remunerações e na ausência de contratação de efetivos.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.