sicnot

Perfil

País

Provedor de Justiça quer menos barreiras na prisão de Monsanto

O provedor de Justiça defendeu esta terça-feira que os reclusos da cadeia de Monsanto, Lisboa, considerada de especial segurança, tenham direito à visita dos filhos sem estarem separados pela barreira de vidro, criticando as atuais condições.

No relatório da visita ao Estabelecimento Prisional de Monsanto, incluído no projeto "O Provedor de Justiça, as prisões e o século XXI: diário de algumas visitas", realizada em finais de junho, José de Faria Costa faz um relato do que viu e das condições que encontrou, ouvindo igualmente guardas prisionais e alguns reclusos.

Do que viu, o provedor de Justiça saiu com a convicção de que "a privação da liberdade (...) não pode ter, sem mais, como corolário a restrição de outros direitos fundamentais".

"Não percebo, pois, que, conquanto que as pessoas se encontrem a cumprir pena de prisão em regime de segurança, não possam tocar nos filhos. Não entendo a barreira que, embora de vidro, se interpõe, de modo sistemático, entre um pai recluso e um filho pequeno", argumentou José de Faria Costa.

No entender do provedor, o motivo pelo qual o recluso está preso não põe em causa as suas responsabilidades parentais, sublinhando que "um recluso pode ser um excelente pai".

Uma situação que surpreende ainda mais o responsável quando o atual sistema penal prevê e possibilita que as pessoas detidas tenham direito a visitas íntimas.

"Será o contacto com o(a) companheiro(a) - companheiro(a) por vezes de uma vida, mas em outras vezes, não tão raras assim, de apenas alguns meses - mais importante do que a manutenção do relacionamento com o seu descendente", questionou o provedor.

Apontou, por outro lado, que apesar de os filhos poderem visitar os pais nos estabelecimentos prisionais, mesmo quando esta é de especial segurança, "ver e falar não é suficiente para a relação filial".

"Relacionar implica, entre outras ações, o toque. Envolve afetos. Em suma, é tão-só - e é já tanto - ser pai. E umas grades ou um vidro não o podem impedir", sustentou.

Da visita ao Estabelecimento Prisional de Monsanto, o provedor de Justiça reteve também a existência de barras horizontais nos gradeamentos das janelas e das portas das celas, algo sobre o qual já alertou noutras visitas, repetindo que se trata de um "perigo".

"Não posso deixar de me preocupar com as estruturas que podem, se essa for a vontade do recluso, auxilia-lo a por termo à vida ou, pelo menos, a tentá-lo", apontou.

Por outro lado, criticou a falta de regulamentos e literatura em línguas estrangeiras, além da inglesa, criticando que haja reclusos que não compreendem os seus direitos e referindo que os reclusos estrangeiros que estão na prisão de Monsanto são oriundos, maioritariamente, de Espanha, América Latina e Europa de Leste.

No que diz respeito às condições de trabalho dos guardas prisionais, José de Faria Costa salientou que não são realizadas frequentemente ações de formação profissional que melhor capacitem aqueles profissionais a gerir situações de conflito.

Além disso, ouviu também queixas quanto ao facto de estarem impossibilitados de progredirem na carreira e por causa dos constrangimentos orçamentais que tiveram impacto nas remunerações e na ausência de contratação de efetivos.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.