sicnot

Perfil

País

Conselho Superior de Defesa aprova participação em missão da ONU na Colômbia

O Conselho Superior de Defesa Nacional aprovou esta quinta-feira a participação portuguesa na missão das Nações Unidas (ONU) na Colômbia e a diminuição da presença na força liderada pela NATO no Kosovo (KFOR) até meio do próximo ano.

Estas decisões, tomadas após a apreciação de propostas apresentadas pelo Governo, constam de um comunicado distribuído aos jornalistas no final da reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional, que decorreu a bordo do navio-escola "Sagres", na Base Naval de Lisboa, no Alfeite.

O comunicado refere que foi decidido "dar parecer favorável à participação nacional na missão das Nações Unidas na Colômbia naturalmente atendendo à situação envolvente" - em que o acordo de paz entre o Governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) foi rejeitado em referendo.

Quanto à missão de paz liderada pela NATO no Kosovo, segundo o comunicado, foi dado "parecer favorável à retração da força nacional na KFOR até ao fim do primeiro semestre de 2017, no quadro da continuação de idêntico empenhamento português na Aliança Atlântica".

"Por fim, o Conselho concluiu com uma primeira análise e debate sobre a possível participação das Forças Armadas em operações e/ou missões no exterior do território nacional, durante o ano de 2017", lê-se no documento.

A nota distribuída aos jornalistas refere ainda que o Presidente da República "abriu a sessão com uma palavra de apreço pelo apoio da Marinha à concretização desta reunião no navio-escola "Sagres", 'bandeira' de Portugal e do seu espírito empreendedor no mundo".

Desde que Marcelo Rebelo de Sousa assumiu a chefia do Estado, a 9 de março, o Conselho Superior de Defesa Nacional tem-se reunido aproximadamente de três em três meses. As anteriores reuniões realizaram-se a 24 de março e a 12 de julho.

Na terça-feira, o ministro da Defesa Nacional reiterou que Portugal disponibilizou oito militares e outros tantos polícias para a missão de monotorização das Nações Unidas na Colômbia, apesar do resultado do referendo de domingo.

"Há um pequeno percalço, que espero seja pequeno, com a circunstância de no referendo ter havido uma maioria de votos contrários que, no fundo, não consolidam com carater definitivo o acordo de paz em todas as suas dimensões", disse Azeredo Lopes à agência Lusa.

Segundo Azeredo Lopes, cabe agora às Nações Unidas decidir, embora os principais intervenientes já tenham vindo a público dizer que o cessar-fogo se mantinha.

"Esta é uma missão diferente. Embora participem militares, do que se trata é uma missão de monotorização do cessar-fogo definitivo estabelecido entre o governo da Colômbia e as FARC", salientou o ministro.

Lusa

  • Eduardo Cabrita nomeado ministro da Administração Interna

    País

    O primeiro-ministro propôs esta quarta-feira ao Presidente da República a nomeação de Eduardo Cabrita para o cargo de ministro da Administração Interna e de Pedro Siza Vieira para ministro Adjunto do primeiro-ministro. A tomada de posse realiza-se no sábado às 09:00.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08