sicnot

Perfil

País

Jerónimo antecipa potencial conflito interno no PS

CARLOS SANTOS/LUSA

O secretário-geral do PCP rejeita um adjunto após o XX Congresso do partido, em dezembro, e prevê "contradições no seio do próprio PS, com um desfecho imprevisível", em entrevista ao órgão oficial comunista, o jornal "Avante!".

Jerónimo de Sousa, tal como em entrevista à Lusa, em maio, onde se mostrou com "força física e anímica" para continuar no cargo sem necessidade de um "n.º2", como sucedeu com Cunhal e Carvalhas entre 1990 e 1992, reafirmou que "nunca tal esteve em cima da mesa".

"Eu ainda tenho a capacidade de me surpreender com a imaginação fértil da comunicação social. Um jornal dito de referência 'manda o barro à parede', um segundo jornal pega, um terceiro vai mais longe e um quarto dá por adquirida essa ideia... O que tenho a dizer ao 'Avante!' é que tal 'notícia' não tem nenhum fundamento", garantiu.

O líder comunista reconheceu que "o Governo do PS, embora de forma limitada e insuficiente, tem assumido o compromisso de repor direitos e rendimentos, o que não deve ser desvalorizado".

"Estamos a falar de questões como a recuperação de salários, a reposição de feriados, as 35 horas na administração pública, a reversão de privatizações que estavam em curso e políticas educativas, onde se releva a garantia da gratuitidade dos manuais escolares no primeiro ano do primeiro ciclo, resultante de uma proposta do nosso partido", salientou.

Para Jerónimo de Sousa, "mesmo com hesitações e contradições, o PS acabou por contribuir para se abrir uma nova fase da vida política nacional, mas não alterou a natureza da sua política e das suas opções programáticas características da política de direita, expressas nas conhecidas orientações estratégicas de subordinação ao processo de integração capitalista da União Europeia (UE) e aos interesses do capital monopolista".

O secretário-geral do PCP alertou para a "evidência de que os círculos de decisão da UE e do capital" discordam da "solução política atual e, por isso, vão "continuar a pressionar e a chantagear, com a conivência do PSD e do CDS", algo que, considerou, ir provocar, "inevitavelmente", o acentuar das "contradições no seio do próprio PS, com um desfecho imprevisível".

"Não há um Governo de esquerda nem das esquerdas e não há nenhum acordo de incidência parlamentar", frisou o líder comunista, que prefere destacar a "posição conjunta PS/PCP", similar às dos socialistas com BE e "Os Verdes".

Jerónimo de Sousa reiterou a importância do PCP perante "a possibilidade de afastar o PSD e o CDS do Governo, após as legislativas de há um ano, e a "oportunidade de repor direitos e rendimentos usurpados" por aqueles partidos.

Apesar do acordo com os socialistas, "o PCP não abdicou da sua proposta de uma política alternativa patriótica e de esquerda nem do seu compromisso primeiro e principal, que é com os trabalhadores e com o povo", vincou, repetindo a necessidade de romper com os constrangimentos do "Tratado Orçamental e a política do euro", além de renegociar a dívida, embora respeitando o "compromisso de examinar a proposta de Orçamento do Estado" para 2017, "sem, é evidente, decidir do sentido de voto sem conhecer os conteúdos".

"Estamos a viver um tempo em que se agudiza a luta de classes, em que se intensifica a ofensiva ideológica em vários domínios, tentando ocultar a natureza do capitalismo e a alternativa de emancipação social do ideal comunista. É neste quadro que se fomenta o obscurantismo, valores antidemocráticos e reacionários, em particular na Europa", declarou ainda o líder do PCP, destacando a vertente internacionalista do seu partido.

Para Jerónimo de Sousa, o PCP é "um partido marxista-leninista cuja organização está fundamentalmente direcionada para os principais destinatários" da "ação" e da "luta".

"Nós precisamos de mais quadros intermédios, de quadros que agarrem tarefas, que assumam responsabilidades para dinamizar o trabalho de organização. Outra ideia que importa ter presente: o reforço do partido faz-se lá onde se dá o conflito de classes, onde se trava a luta e se destacam os lutadores, se libertam energias e evolui a própria consciência de classe", disse.

O secretário-geral comunista optou ainda por destacar que nos últimos quatro anos, o PCP registou "mais de cinco mil novos militantes, com a particularidade de cerca de 70% terem menos de 50 anos", "um resultado" que "dá confiança, mostrando a real possibilidade que existe de o partido conseguir novos membros e de os integrar no trabalho partidário".

Lusa

  • Voto do PCP no Orçamento ainda não está garantido
    2:26

    Orçamento do Estado 2017

    Jerónimo de Sousa avisa que o apoio do PCP ao Orçamento do próximo ano ainda não está garantido. O Governo e os partidos de esquerda estiveram reunidos esta terça-feira, mas não chegaram a acordo sobre todas as medidas. O primeiro-ministro garante que será um bom Orçamento e que as divergências vão ser ultrapassadas.

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.