sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral das regiões norte e centro até meio da manhã, podendo persistir em alguns locais da faixa costeira.

Está também previsto vento em geral fraco do quadrante oeste, soprando temporariamente moderado nas terras altas a partir da tarde, neblina ou nevoeiro matinal em alguns locais do litoral das regiões norte e centro e pequena descida da temperatura máxima no litoral das regiões norte e centro e na região sul.

Na Madeira prevê-se céu em geral pouco nublado e vento fraco a moderado de nordeste.

Para os Açores a previsão aponta para períodos de céu muito nublado com abertas, aguaceiros fracos e vento norte bonançoso, rodando para noroeste.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 15 e 27 graus celsius, no Porto entre 11 e 21, em Vila Real entre 13 e 27, em Viseu entre 14 e 26, em Bragança entre 10 e 26, na Guarda entre 14 e 23, em Coimbra entre 10 e 25, em Castelo Branco entre 13 e 30, em Santarém entre 13 e 29, em Évora entre 13 e 31, em Beja entre 14 e 31, em Faro entre 18 e 26, no Funchal entre 19 e 26, em Ponta Delgada entre 17 e 22, na Horta entre 16 e 21 e em Santa Cruz das Flores entre 15 e 21.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.