sicnot

Perfil

País

ANTRAL demarca-se de "ameaças e violência" em protesto de Lisboa

A Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) demarcou-se hoje de eventuais "situações de ameaças e violência" na manifestação de segunda-feira, em Lisboa, contra as plataformas eletrónicas de mobilidade.

"A ANTRAL rejeita todo o tipo de violência e apela para que a manifestação do dia 10 de outubro seja pacífica, ordeira [e] que sirva para mostrar os nossos pontos de vista contra a ilegalidade", afirmou, em comunicado, o presidente da associação, Florêncio de Almeida.

O responsável acrescentou ainda que a associação se demarca e condena "todas as notícias que envolvam situações de ameaças e violência" durante a ação de protesto.

A posição da ANTRAL surge após os representantes do setor do táxi terem acusado hoje a PSP de querer "partir a manifestação" de segunda-feira, em Lisboa, ao impor condições relativamente aos taxistas oriundos do norte e do sul do país.

"A PSP está a levantar problemas que não fazem sentido. Nós discordamos e mantemos o mesmo itinerário. Declinamos qualquer responsabilidade do que venha a acontecer", afirmou hoje o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, após uma reunião com a PSP no Comando Metropolitano de Lisboa, em Moscavide (Loures).

Segundo Florêncio de Almeida, que falou também após o encontro, os taxistas pretendem que os carros provenientes do norte se dirijam à Rotunda do Relógio, em Lisboa, para depois se juntarem no Parque das Nações, mas a polícia "quer desviá-los em Santa Iria da Azóia para o IC2".

Em relação às viaturas oriundas do sul, acrescentou, as associações definiram uma saída conjunta, com batedores, mas a PSP quer antes que se desloquem em "pequenos grupos de 10 ou 15 viaturas".

Segundo o comissário Sérgio Soares, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, as alterações propostas aos taxistas pretendem apenas facilitar a chegada de viaturas ao local do protesto, que parte do Parque das Nações, em Lisboa, e termina em frente à Assembleia da República.

Em relação às viaturas com origem do sul do país, o responsável da PSP acrescentou que os condicionamentos são justificados com questões de segurança na Ponte 25 de Abril.

Os taxistas aceitaram a indicação policial de, na Baixa de Lisboa, vindos da Rua do Ouro, não passarem na Rua do Arsenal, atualmente em obras, e irem ao Campo das Cebolas para se dirigirem ao Cais do Sodré, rumo à Assembleia da República, em S. Bento."

"Nós queremos a evolução do setor. Agora o que nós queremos são regras e lealdade no setor. Paz social nos transportes ocasionais de passageiros nunca irá existir se o Governo for com este projeto para a frente", alertou Florêncio Almeida, referindo-se à proposta governamental de regulamentação que está em cima da mesa.

O presidente da ANTRAL ressalvou ainda que "os taxistas não estão contra as plataformas online de transportes de passageiros, mas exigem "regras iguais para todos".

O protesto nacional inicia-se às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações, seguindo depois, pelas 08:30, com as viaturas em desfile até à Assembleia da República.

Lusa

  • Díli decide legislativas em Timor-Leste
    1:48
  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • Norte também quer naturismo e praias de nudistas

    País

    O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu hoje a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15