sicnot

Perfil

País

Taxistas em protesto terão de deixar carros na Avenida 24 de Julho

A PSP informou esta sexta-feira que os taxistas que participarem no protesto de segunda-feira em Lisboa terão de estacionar os carros na Avenida 24 de Julho, subindo a pé a Avenida D. Carlos I até ao parlamento, com apoio da polícia.

A necessidade da subida da avenida (para onde os taxistas anunciaram levar as viaturas) foi apontada à Lusa pelo comissário Sérgio Soares, do Comando Metropolitano de Lisboa.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) recusou hoje as acusações de que as alterações propostas aos taxistas pretendam condicionar a manifestação marcada para segunda-feira, contra aplicações móveis de transporte de passageiros.

Os representantes do setor do táxi acusaram a polícia de querer "partir a manifestação" ao impor condições relativamente aos taxistas que vêm do norte e do sul do país.

Segundo o comissário Sérgio Soares, as alterações propostas aos taxistas pretendem apenas facilitar a chegada de viaturas ao local do protesto, que parte do Parque das Nações, em Lisboa, e termina em frente à Assembleia da República.

Os taxistas pretendem que os veículos provenientes do norte se desloquem até à Rotunda do Relógio, em Lisboa, para depois se juntarem aos colegas no Parque das Nações, mas a polícia "quer desviá-los em Santa Iria da Azóia [no vizinho concelho de Loures] para o IC2 [itinerário complementar]", referiu o presidente da Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida.

Em relação às viaturas oriundas do sul, acrescentou, as associações definiram uma saída conjunta, com batedores, mas a PSP quer antes que se desloquem em "pequenos grupos de 10 ou 15 viaturas".

A esse respeito, a PSP explicou que os condicionamentos são justificados com questões de segurança na Ponte 25 de Abril.

"Faremos algumas limitações à passagem, uma vez que se trata de uma infraestrutura sensível [ponte], mas assim que os mesmos estiverem na zona norte da ponte iremos concentrá-los e faremo-los chegar junto dos restantes taxistas", explicou.

Face aos constrangimentos no trânsito que se irão verificar em Lisboa devido à manifestação dos taxistas o responsável da PSP aconselhou que todos os que se dirigirem à capital na segunda-feira o façam recorrendo a transportes públicos.

O protesto nacional inicia-se às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações, seguindo depois, pelas 08:30, com as viaturas em desfile até à Assembleia da República.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.