sicnot

Perfil

País

Taxistas em protesto terão de deixar carros na Avenida 24 de Julho

A PSP informou esta sexta-feira que os taxistas que participarem no protesto de segunda-feira em Lisboa terão de estacionar os carros na Avenida 24 de Julho, subindo a pé a Avenida D. Carlos I até ao parlamento, com apoio da polícia.

A necessidade da subida da avenida (para onde os taxistas anunciaram levar as viaturas) foi apontada à Lusa pelo comissário Sérgio Soares, do Comando Metropolitano de Lisboa.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) recusou hoje as acusações de que as alterações propostas aos taxistas pretendam condicionar a manifestação marcada para segunda-feira, contra aplicações móveis de transporte de passageiros.

Os representantes do setor do táxi acusaram a polícia de querer "partir a manifestação" ao impor condições relativamente aos taxistas que vêm do norte e do sul do país.

Segundo o comissário Sérgio Soares, as alterações propostas aos taxistas pretendem apenas facilitar a chegada de viaturas ao local do protesto, que parte do Parque das Nações, em Lisboa, e termina em frente à Assembleia da República.

Os taxistas pretendem que os veículos provenientes do norte se desloquem até à Rotunda do Relógio, em Lisboa, para depois se juntarem aos colegas no Parque das Nações, mas a polícia "quer desviá-los em Santa Iria da Azóia [no vizinho concelho de Loures] para o IC2 [itinerário complementar]", referiu o presidente da Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida.

Em relação às viaturas oriundas do sul, acrescentou, as associações definiram uma saída conjunta, com batedores, mas a PSP quer antes que se desloquem em "pequenos grupos de 10 ou 15 viaturas".

A esse respeito, a PSP explicou que os condicionamentos são justificados com questões de segurança na Ponte 25 de Abril.

"Faremos algumas limitações à passagem, uma vez que se trata de uma infraestrutura sensível [ponte], mas assim que os mesmos estiverem na zona norte da ponte iremos concentrá-los e faremo-los chegar junto dos restantes taxistas", explicou.

Face aos constrangimentos no trânsito que se irão verificar em Lisboa devido à manifestação dos taxistas o responsável da PSP aconselhou que todos os que se dirigirem à capital na segunda-feira o façam recorrendo a transportes públicos.

O protesto nacional inicia-se às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações, seguindo depois, pelas 08:30, com as viaturas em desfile até à Assembleia da República.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.