sicnot

Perfil

País

Uma camisola pelos cuidados paliativos

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos vai desafiar os portugueses a vestirem "a camisola pelos cuidados paliativos", no âmbito da campanha "Qualidade e dignidade até ao fim", que começa sábado com largadas de balões em Lisboa e no Porto.

Divulgada no Dia Mundial dos Cuidados paliativos, a campanha pretende informar doentes, a população e, sobretudo, os profissionais de saúde e a classe política de que "os cuidados paliativos são um direito humano básico para todas as pessoas portadores de doenças crónicas e limitantes".

Em declarações à agência Lusa, o presidente da APCP, Manuel Luís Capelas, disse que a campanha surgiu da necessidade de "continuar a alertar para a importância dos cuidados paliativos" num país onde cerca de 89 mil doentes necessitam, por ano, destes cuidados e onde cerca de metade dos doentes referenciados acabam por morrer sem aceder a eles.

Durante a campanha, os portugueses vão ser desafiados a vestir uma camisola que tem como objetivo "chamar a atenção" para "dois aspetos fundamentais" nos cuidados paliativos: "A qualidade de vida e a dignidade de vida destas pessoas".

Já o lançamento dos balões é "uma homenagem simbólica e singela" a "todas as pessoas que já partiram ou que estão em cuidados paliativos e a todos os profissionais e familiares que têm ajudado estes doentes a caminhar com qualidade e com dignidade este período da sua vida", explicou Manuel Capelas.

Dados da APCP referem que existe apenas uma equipa de cuidados paliativos domiciliários por 590 mil habitantes, quando as recomendações internacionais apontam para a uma por 100 mil habitantes, que 64% dos doentes paliativos morrem nas camas hospitalares sem acesso a cuidados domiciliares e que há 6.000 crianças a necessitar destes cuidados.

Para Manuel Capelas, a falta de conhecimento e informação por parte da população, e acima de tudo, por parte dos profissionais de saúde continua a ser o principal entrave ao desenvolvimento destes cuidados em Portugal.

Apesar de reconhecer que já foram dados "alguns passos", considerou que "há muito caminho a percorrer" para garantir que todos os que necessitam tenham acesso a estes cuidados.

Neste momento, está em discussão pública o plano estratégico para o biénio 2017-2018, vamos ver se "responde àquilo que serão os anseios e depois, que é o mais importante", como será operacionalizado.

Este documento não contempla, contudo, os cuidados paliativos pediátricos, "que não temos de todo e que deveremos pensar que respostas especializadas vamos dar a estas crianças que também necessitam".

"É preciso encontrar rapidamente respostas adequadas, cientificamente corretas", para que estas crianças "vivam com qualidade, dignidade até ao último momento das suas vidas", defendeu Capelas.

Sobre o que é mais urgente fazer nesta área, o responsável disse que é necessário pensar-se de "uma forma mais abrangente": "Se calhar temos de ter uma visão para lá do nosso umbigo e pensarmos mais nos interesses dos doentes do que em interesses corporativistas, sejam de que ordem for e por parte de quem for".

Para Manuel Capelas, é preciso apostar-se na formação de equipas domiciliárias, numa "formação básica de todos os profissionais de saúde" e encontrar estruturas não domiciliárias que garantam, com a proximidade necessária, uma resposta adequada às necessidades.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.