sicnot

Perfil

País

"O que estão a fazer comigo é o ato mais repugnante que uma sociedade pode fazer"

O ex-primeiro-ministro José Sócrates reafirmou este sábado, em Famalicão, que a sua detenção e prisão foi "politicamente motivada" com o objetivo de o impedir de se candidatar, tal como alguns pensavam, a Presidente da República.

"A intenção era retirar-me do espaço público, calar-me como voz pública e impedir-me, porque era o que pensavam, que me candidatasse a Presidente da República", frisou novamente José Sócrates, durante a conferência "Conversas da República", realizada na sexta-feira à noite e promovida pelo PS/Vila Nova de Famalicão.

O antigo dirigente socialista insistiu que a única motivação que pode explicar a sua prisão é política, frisando ter sido vítima de uma "violência absolutamente injustificada", porque, ao fim de dois anos, o Estado continua sem apresentar uma acusação contra si.

"O que estão a fazer comigo é o ato mais abjeto e mais repugnante que uma sociedade pode fazer. É condenar alguém sem lhe dar oportunidade de defesa, sem lhe dar julgamento, nem sequer acusação", salientou.

Na sua opinião, o Estado não tem o direito de apontar o dedo e considerar alguém eternamente suspeito.

O ex-governante realçou que o prazo para apresentar a acusação não terminou há uma semana ou há 15 dias, mas sim a 19 de outubro de 2015, por isso, o único suspeito é agora o Estado.

"Se eles não acusam, acuso eu. O Estado já teve a sua oportunidade, mas a verdade é que nunca apresentou as provas porque nunca as teve, não as têm, nem as vai ter, porque não pode ter provas do que nunca aconteceu, tudo o diz é mentira", sustentou.

E acrescentou: "todo este procedimento é indecente e ilegal e eles sabem-no".

O Estado tem de provar o que disse e não pode demorar dois anos, é "inaceitável", vincou.

José Sócrates relembrou que há dois anos que reclama a sua inocência - altura em que foi detido e preso preventivamente -, mas que não se pode defender mais não é conhecida a acusação.

E questionou: "é possível uma República Democrática deter, prender e fazer campanha e ao fim de dois anos não apresentar acusação".

Considerando haver um "problema sério" com a justiça criminal, o socialista classificou a sua detenção como uma "montagem cinematográfica", dado ter sido transmitida em direto.

O ex-governante achou que há uma "aliança" entre setores da justiça e órgãos de comunicação social que visa um "benefício mútuo".

A Operação Marquês conta com 12 arguidos, entre os quais José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, tendo esta medida de coação sido alterada para prisão domiciliária, com vigilância policial, a 04 de setembro de 2015.

Desde outubro que está em liberdade, embora proibido de se ausentar de Portugal e de contactar com outros arguidos do processo.

Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, indiciado pelos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

Lusa

  • Rússia vence Egito e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Rússia

    A anfitriã Rússia venceu esta terça-feira o Egito por 3-1, em jogo da 2.ª jornada do grupo A. A seleção russa ficou assim muito perto de garantir o apuramento para os oitavos de final e deixou o Egito quase fora da fase seguinte.

  • O abraço de Marcelo à mascote do Mundial
    0:12
  • Português que saiu de bicicleta de Alenquer já chegou à Rússia
    2:26
  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.