sicnot

Perfil

País

Cerca de 10 mil pessoas assinam petição a pedir comparticipação de novo medidor de glicose

freestylelibre.pt

Perto de 10 mil pessoas assinaram até hoje uma petição pública online a pedir a comparticipação estatal do primeiro medidor de glicose que evita as picadas dos dedos que são rotina entre diabéticos.

O aparelho, lançado no mercado português há cerca de um mês, é constituído por um sensor redondo que mede 35 por 5 milímetros. Este sensor é instalado na parte posterior do braço e tem uma duração de 14 dias, medindo em permanência os níveis de glicose intersticial (líquido que fica entre as células do corpo e que se encontra nas camadas superficiais da pele).

O kit inicial do aparelho Freestyle Libre custa 169,90 euros e bem com um leitor e dois sensores, dando para cerca de um mês de utilização, já que os sensores têm duração de até 14 dias. Cada sensor custa depois 59,90 euros. Em média, o custo mensal por utilizador pode rondar os 120 euros.

A petição lançada online a pedir a comparticipação estatal destes medidores tinha até às 13:00 de hoje mais de 9.900 assinaturas.

Na petição não é indicado qual a percentagem de comparticipação solicitada, com os autores do texto a fazerem apenas uma descrição do aparelho e das suas vantagens.

Na altura da apresentação deste produto em Portugal, o laboratório que comercializa o Freestyle Libre disse esperar que esta tecnologia venha também a ser comparticipada pelo Estado e adiantou que foram feitas diligências junto das autoridades.

A Sociedade de Diabetologia considerou já o medidor como "a última revolução" no controlo da diabetes, contribuindo para "melhorar significativamente a vida dos doentes".

O medidor possibilita fazer várias leituras por dia e, além de dar ao doente o valor do momento, permite perceber o que se passou nos níveis de glicose nas últimas oito horas e também mostra a tendência de evolução para o futuro.

Está indicado para todos os diabéticos, mesmo para crianças a partir dos 4 anos, mas são os doentes com diabetes tipo 1 e com diabetes tipo 2 menos controlada e que fazem insulina quem mais pode beneficiar.

Em Portugal, cerca de um milhão de pessoas vive com diabetes e mais dois milhões têm risco elevado de a vir a desenvolver.

  • Controlar a diabetes sem picadas
    5:42

    Futuro Hoje

    Uma tecnologia digital de controlo da diabetes, sem as habituais picadas diárias, está a contribuir para melhorar a qualidade de vida de alguns doentes. O aparelho mede constantemente os níveis de glicemia e toda a informação é lida no telemóvel. O Lourenço Medeiros foi saber mais sobre esta nova tecnologia ao serviço da saúde, para o Futuro Hoje.

  • É o fim da picada para os diabéticos

    País

    O primeiro medidor de glicose que evita as picadas nos dedos rotineiras entre os diabéticos foi lançado esta quarta-feira em Portugal. A ferramenta mede os níveis de açúcar durante as 24 horas do dia.

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Docentes que ficaram indevidamente fora dos concursos ainda não foram colocados
    1:12

    País

    O Sindicato dos Professores do Norte diz que ainda há docentes à espera de serem colocados. Depois de terem contestado os erros nos processos concursais e de lhes ter sido dada razão, uma centena de docentes ainda não está a dar aulas. Para o sindicato, é inadmissível que os docentes paguem pelos erros do Ministério da Educação e exigem que se faça justiça.

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56