sicnot

Perfil

País

Derrame de 23 toneladas de resina em Santiago do Cacém

Um camião derramou esta terça-feira cerca de 23 toneladas de resina ureica numa das principais artérias de Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal, obrigando ao corte do trânsito até terminarem os trabalhos de limpeza, divulgou o município.

Contactado pela agência Lusa, o comandante dos Bombeiros de Santiago do Cacém, Carlos Agostinho, explicou que se tratou de um derrame de resina ureica transportada num contentor, que estava rachado e rebentou.

Segundo o mesmo responsável, o camião da empresa Tracogás, que transportava resina ureica proveniente da unidade fabril da Euroresinas, que labora no complexo industrial de Sines, derramou o produto na via pública, "numa extensão de 200 a 300 metros de comprimento".

A resina "não é um produto tóxico", esclareceu o comandante dos bombeiros, que coordena as operações de limpeza, indicando que o derrame obrigou ao corte do trânsito na Rua Professor Egas Moniz, em Santiago do Cacém, enquanto duram os trabalhos de limpeza, que se deverão prolongar durante toda a noite.

"A maior parte do produto escoou pela infraestrutura de águas pluviais, para onde os restantes resíduos também estão a ser encaminhados. Não há outra forma de limpeza", disse.

"As resinas demoram algum tempo a serem removidas. O ideal era lavar com água quente, mas como não temos, tem de ser com água fria e assim vai formando uma pasta", explicou, adiantando que "a rua está cortada ao trânsito até serem terminadas as limpezas.

O trânsito está a ser desviado para a Avenida Manuel da Fonseca e para a Rua Engenheiro Costa Serrão.

O alerta foi dado por volta das 19:08, tendo sido mobilizados para o local 17 operacionais, entre bombeiros, GNR e proteção civil municipal, equipados com oito veículos, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal.

Lusa

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.