sicnot

Perfil

País

Mais de um terço dos portugueses sem rendimentos para cobrir necessidades

Mais de um terço dos portugueses não tem rendimento suficiente para satisfazer as necessidades e 16% recorre ao crédito para as cobrir, segundo um inquérito da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgado esta terça-feira.

No inquérito da OCDE sobre literacia financeira divulgado hoje, 35% dos portugueses responderam que nem sempre têm dinheiro para cobrir as suas necessidades e 16% admitiram que já recorreram ao crédito para as satisfazer.

Assim, Portugal fica acima da média dos países da OCDE, em que 27% dos inquiridos admitem não ter rendimentos suficientes para satisfazer as necessidades básicas e 14% recorreram ao crédito para as cobrir.

Portugal fica também acima da média, mas apenas ligeiramente, do conjunto dos 30 países que responderam ao inquérito, em que 34% dos inquiridos responderam não ter rendimento para cobrir as suas necessidades e 20% admitiram recorrer ao crédito.

Este é um dos pontos onde Portugal se destaca pela negativa, mas na avaliação geral de literacia financeira o país fica ligeiramente acima da média geral e da OCDE, embora os níveis gerais sejam "bastante baixos", considera a instituição.

Num total de 21 pontos, em áreas que combinam conhecimento, atitudes e comportamentos, a média do conjunto dos 30 países que responderam ao inquérito é de 13,2 pontos, enquanto a dos países da OCDE é de 13,7 pontos.

Portugal fica acima da média, com 14 pontos, mas, ainda assim, a OCDE considera que "há uma margem significativa para melhoria" em todos os países.

Para a OCDE, os níveis de literacia financeira "são mais baixos do que o esperado por um conjunto variado de razões - nuns casos [a falta de] conhecimento é um problema, noutros os comportamentos são particularmente problemáticos".

Além disso, "há grandes variações nos níveis de conhecimento financeiro entre os países". Cerca de 60% dos inquiridos portugueses tiveram uma pontuação mínima de cinco (em sete) em questões sobre conhecimento financeiro, uma classificação que está acima da média dos 30 países inquiridos (56%) e abaixo da média dos países da OCDE (62%).

A OCDE também concluiu que o conhecimento financeiro varia por género: em 18 das 30 economias que participaram no inquérito, os homens têm pontuações mais elevadas do que as mulheres.

Em Portugal, 67% dos homens inquiridos e 54% das mulheres têm uma pontuação de pelo menos cinco (em sete) nas questões sobre conhecimento financeiro.

Em 15 países e economias, menos do que metade dos adultos definem objetivos financeiros de longo prazo e tentam alcançá-los, um "comportamento que é essencial para a segurança e bem-estar financeiros de longo prazo", defende a OCDE. Pelo contrário, em Portugal, por exemplo, mais de seis em 10 inquiridos tem tendência em favorecer o longo prazo.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.