sicnot

Perfil

País

Mulher baleada em Aguiar da Beira sofreu traumatismo cranioencefálico grave

A mulher baleada esta terça-feira em Aguiar da Beira sofreu um traumatismo cranioencefálico grave e encontra-se no bloco operatório a ser intervencionada, disse à agência Lusa fonte do Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

De acordo com o diretor do Serviço de Urgências do Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Miguel Sequeira, a mulher foi a terceira vítima dois crimes de Aguiar da Beira a dar entrada naquela unidade hospitalar e "deverá ficar internada na unidade de cuidados intensivos após cirurgia".

Já o primeiro a chegar ao Centro Hospitalar Tondela-Viseu foi um militar da GNR de 41 anos, também ele com um traumatismo cranioencefálico causado por arma de fogo.

"O homem foi avaliado pelo Serviço de Otorrinolaringologia, Cirurgia Maxilofacial e Neurocirurgia. Está estável e foi internado no Serviço de Neurocirurgia", informou.

No Centro Hospitalar Tondela-Viseu deu ainda entrada um outro militar da GNR, de 29 anos, que chegou já cadáver.

Também um outro homem, civil, foi encontrado morto em Aguiar da Beira, junto da mulher que se encontra a ser intervencionada no Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

Durante a tarde, um terceiro militar da GNR terá sido ferido em Candal, no concelho de S. Pedro do Sul.

Lusa

  • Dois mortos e três feridos graves em Aguiar da Beira

    País

    As buscas das autoridades para capturar os suspeitos do crime de Aguiar da Beira centram-se agora na zona de São Pedro do Sul. De acordo com as últimas informações, há mais um militar da GNR que foi ferido com gravidade durante uma troca de tiros durante a operação de caça ao homem. Este é um dos mais recentes desenvolvimentos relacionados com o crime de Aguiar da Beira. Há a registar a morte de um militar da GNR e ferimentos graves num outro, que está agora livre de perigo. Um civil foi também encontrado morto, acompanhado de uma mulher em estado grave. Tudo terá acontecido na sequência de um assalto.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05