sicnot

Perfil

País

Queixa contra taxista que disse "as leis são como as meninas virgens, são para ser violadas"

A Comissão Para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) apresentou queixa ao Ministério Público contra um taxista que, durante a manifestação de segunda-feira, afirmou que "as leis são como as meninas virgens, são para ser violadas".

Para este organismo, a afirmação proferida por um taxista que integrava o protesto desta classe profissional contra plataformas de serviço de transporte de passageiros concorrentes como a Uber ou a Cabify, configura a prática de crimes.

A CIG, "enquanto organismo público responsável pela promoção e defesa da igualdade de género e do combate à violência doméstica e de género", veio hoje, em comunicado, "publicamente repudiar a afirmação", proferida pelo taxista e veiculada pela comunicação social.

"Estas declarações são reveladoras de um menosprezo relativamente à dignidade, liberdade e autodeterminação sexual das mulheres e meninas, bem como à sua integridade física e moral, sendo suscetíveis de legitimar e provocar atos de discriminação e de violência. Uma vez que esta conduta pode configurar a prática de crimes de discriminação sexual e de instigação pública à prática de crimes previstos e punidos no Código Penal, a CIG apresentou queixa junto do Ministério Público", refere a nota da CIG.

O protesto dos taxistas, que começou na segunda-feira no Parque das Nações ao início da manhã, deveria ter seguido até à Assembleia da República, mas não avançou além da Rotunda do Relógio, onde ocorreram confrontos com a polícia, tendo os manifestantes bloqueado a zona do aeroporto de Lisboa durante mais de 15 horas.

O protesto dos taxistas esteve relacionado com as novas regras para as plataformas eletrónicas como a Uber e a Cabify. Os taxistas exigem que o número de veículos afetos àquelas plataformas seja limitado, à semelhança do que acontece com os táxis.

Um novo protesto foi marcado para segunda-feira da próxima semana junto ao Palácio de Belém e às câmaras do Porto e de Faro.

Lusa

  • Repórter da SIC vítima de agressões durante protesto de taxistas
    0:28

    País

    Os ânimos estiveram bastante exaltados durante alguns momentos da manifestação e assistiram-se mesmo a algumas cenas de violência. Um repórter de imagem da SIC foi vítima de um desses episódios. Na altura em que filmava um momento que nada tinha a ver com a manifestação, o jornalista acabou por ser agredido por alguns taxistas que se encontravam no local. O repórter ficou com algumas escoriações e com a câmara e telemóveis partidos. A Direção de Informação da SIC apresentou queixa às autoridades.

  • Federação apelou ao bom senso dos taxistas para evitar imagem negativa
    1:11

    País

    O presidente da Federação Portuguesa do Táxi pediu para que não se estragasse as conquistas do dia com uma imagem negativa, que poderia acontecer se os taxistas resistissem à polícia. Carlos Ramos notou que o protesto traduziu-se nalguns avanços na questão das negociações. Perante a resistência de alguns taxistas em deixar o protesto, disse que compreendia, mas apelou ao bom senso.

  • Taxistas desmobilizaram mas prometem novo protesto
    2:51

    País

    Foi só depois das 2:30 da madrugada, após mais de uma hora de insistência dos presidentes das associações do setor, que os taxistas aceitaram desmobilizar da Rotunda do Relógio, em Lisboa, onde estavam concentrada desde ontem de manhã. Eram muitos os que queriam ficar e resistir à intervenção da polícia.

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão